Imagem João Wady Cury
Colunista
João Wady Cury
Palco, plateia e coxia
Conteúdo Exclusivo para Assinante

A dama de Winterbrook

Winterbrook House, a mansão de Agatha Christie, foi colocada à venda

João Wady Cury, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2021 | 03h00

Enquanto os fãs de Hercule Poirot esperam a chegada de Morte no Nilo, o mais novo filme da série do detetive belga com Kenneth Branagh na pele do dito-cujo, a criadora das impagáveis tramas de suspense e irrefreável Agatha Christie (1890-1976) é notícia em Londres por conta da venda da casa onde morou boa parte da vida e lá morreu: Winterbrook House, em Wallingford, Oxfordshire. A belezura está à venda por 2,7 milhões de libras esterlinas (21 milhões de reais).

AMOR À PRIMEIRA ENXADADA

A mansão foi colocada à venda pelo casal que mora ali há 20 anos. Na entrada há a tradicional placa azul britânica dos imóveis que pertenceram aos famosos. 

Christie comprou a casa em 1934 e para lá se mudou com seu segundo marido, o arqueólogo britânico Max Mallowan (bit.ly/3wAeURf). Aliás, o encontro destes dois é um encanto da natureza: conheceram-se durante uma visita às escavações em Ur, antiga Mesopotâmia, hoje Tall al-Muqayyar, no Iraque. A escritora era doida por escavações e viajava para assistir a muitas delas.

A boa velhinha deixou fortuna para algumas gerações. Calcula-se que até agora vendeu 2,3 bilhões de livros, dos quais 300 milhões em vida. Os herdeiros, esses impagáveis, gabam-se do fato de Christie só perder em vendas para a Bíblia e Will Shakespeare. Não é para menos. Os três lidam com violência, ganância, amor e miséria humana (agathachristie.com).

A verdade é que Agatha Mary Clarissa Miller é um ser pululante no imaginário britânico, imagem sempre presente. Pode ser um novo filme, como o de Poirot (imdb.to/3fJAZGm), ou um livro sobre sua vida – embora tenha escrito a própria autobiografia (bit.ly/3fNuRg1). 

Mas é bom lembrar que há pouco mais de um ano a escritora Marie Benedict criou uma ficção sobre o fato mais estranho ocorrido na vida de Christie: o seu desaparecimento por onze dias, em dezembro de 1926. 

Ela era então casada com o coronel Archibald Christie, com quem teve uma filha, Rosalind Margaret Clarissa Christie. Sim, Agatha herdou Christie do primeiro marido. Sim novamente, separaram-se após uma série de traições do milico. Sim, pela terceira vez, a filha e Agatha Christie morreram com a mesma idade, 85 anos. 

O livro de Benedict é um sucesso, The Mystery of Mrs. Christie, e deve virar filme em breve (amzn.to/3yBV9uv). Fará frente a Agatha, com Vanessa Redgrave e Dustin Hoffman, de 1979. Tantos mistérios para pouco ser humano. Talvez para desvendá-los seja preciso quebrar o código Christie. É o que propõe o documentário Cracking The Agatha Christie Code (youtu.be/fYsp_Vu3ofY). Só vendo para crer.

  

É JORNALISTA E ESCRITOR, AUTOR DO INFANTIL ‘ZIIIM’ E DE ‘ENQUANTO ELES CHORAM, EU VENDO LENÇOS’

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.