Peça traz Willem Dafoe e Mikhail Baryshnikov a São Paulo

Os ingressos para o espetáculo ' A Velha' começam a ser vendidos, às 17 horas, desta quarta-feira, 23

Maria Eugênia de Menezes, O Estado de S. Paulo

22 de julho de 2014 | 20h11

Depois de passar por Paris, Milão e Nova York, o espetáculo The Old Woman (A Velha), do diretor Robert Wilson, chega ao Brasil nesta quinta-feira, dia 24. Apenas por se tratar de uma criação do encenador norte-americano, o espetáculo já mobilizaria o circuito cultural da cidade. Mas o interesse pela obra aumenta consideravelmente por reunir no palco Willem Dafoe e Mikhail Baryshnikov.

A dois dias da estreia, que acontece no Sesc Pinheiros, os dois se encontraram com jornalistas na tarde desta terça-feira, 25, para falar sobre o processo de criação da obra, os desafios de trabalhar com Wilson, conhecido por seu apuro formal e sua recusa ao naturalismo, além da empatia que ambos têm demonstrado em cena.

::: Cultura Estadão nas redes sociais :::
:: Facebook ::
:: Twitter :: É a primeira vez que o ator, conhecido do público por filmes como Homem Aranha e Anticristo, e o bailarino russo trabalham juntos. “Mas é a segunda vez que participo de uma obra de Wilson”, contou Dafoe, que já esteve com o diretor na peça a Vida e Morte de Marina Abramovic. “Para mim, uma das coisas mais bonitas do seu teatro é a artificialidade. Eu fui formado por um teatro formal e acho que não pode haver nada mais belo que um ator se transformar em uma coisa, uma luz, uma arquitetura.”

Ainda que essa seja sua estreia sob a batuta de Bob Wilson, Baryshnikov falou sobre sua longa relação de amizade e admiração com o encenador. “De quando em quando a gente se encontrava, jantava, e dizia um para o outro: ‘ainda temos que trabalhar juntos’. Um dia, a proposta veio finalmente. E com a obra de um autor russo, que eu conhecia desde a infância."

The Old Woman é uma adaptação da obra de Daniil Kharms, autor de vanguarda que costuma ser comparado a Samuel Beckett e Ionesco. Na encenação, o diretor concentra as dezenas de personagens que aparecem no original em apenas dois homens. O estilo é aquele que já notabilizou Wilson: apuro visual, valorização do silêncio e das inflexões da voz, uso da iluminação como forma de linguagem, além de uma maquiagem que torna as faces dos atores brancas, como no teatro kabuki. “Essa aparênciatem a ver com o apego do diretor às formas orientais. Mas Wilson não está imitando as coisas, está criando uma linguagem. E ele te dá indicações tão precisas do que fazer que isso acaba te proporcionando uma enorme liberdade. Me vi fazendo coisas que nunca imaginei”, considera Baryshnikov.

A preparação para o espetáculo durou cerca de dois anos. Em cena, os intérpretes devem mostrar um trabalho que extrapola o campo verbal para também valorizar os aspectos físicos e corporais . “Não tivemos nenhum treinamento especial, mas o diretor acaba conseguindo isso nos colocando sempre em situações desconfortáveis”, comentou Dafoe, que faz aniversário hoje, mas vai preferir adiar a comemoração para depois da estreia. Logo após a temporada em São Paulo, que se estende até o dia 3/8, a peça segue para a Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, onde fica em cartaz entre os dias 8 e 10/8.

THE OLD WOMAN

Sesc Pinheiros. Rua Paes Leme, 195, tel. 3095.9400.

De 24 a 27/7 e de 30/7 a 3/8

4ª a 6ª, às 21 h; sáb., 6h e às 21h; dom., 18h

* Com a adequação e finalização da montagem cênica do espetáculo The Old Woman (A Velha), no Teatro Paulo Autran, a equipe técnica do diretor Robert Wilson liberou lugares até então bloqueados tecnicamente.

* A partir de desta quarta-feira, 23, às 17h30, ingressos extras para as sessões dos dias 25, 26, 27, 30, 31/07 e 1, 2 e 3/08 estarão à venda nas bilheterias das unidades do Sesc em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.