Festival em SP volta com novo funcionamento

Festival em SP volta com novo funcionamento

Segunda edição da Mostra Internacional de Teatro, em março, terá vendas online e mais apresentações por peça

Murilo Bomfim, O Estado de S. Paulo

18 Dezembro 2014 | 01h21

Com estreia em março deste ano, a Mostra Internacional de Teatro de São Paulo (MITsp) foi anunciada como um projeto de continuidade, que já previa pelo menos outras duas edições. A próxima, que ocorre de 6 a 15 de março, já tem boa parte da programação acertada e chega à cidade com algumas mudanças em relação à primeira.


Novamente organizado por Antônio Araújo, diretor do Teatro da Vertigem, e Guilherme Marques, diretor geral do Centro Internacional de Teatro Ecum, o evento passa a ter venda online de ingressos. As entradas, então, trocam a gratuidade preço popular: R$ 20 e R$ 10 (meia-entrada). Segundo os organizadores, é uma maneira de possibilitar que o público de fora de São Paulo possa vir com a segurança de que vai assistir ao espetáculo desejado. Também é uma maneira de evitar as filas para a retirada dos ingressos, problema que marcou a primeira edição da MITsp, que recebeu um público muito maior do que o esperado. Neste ano, cerca de 14 mil pessoas assistiram às 11 peças e muita gente não conseguiu entrar nos teatros.

Para abrigar mais espectadores, a próxima edição terá mais apresentações por espetáculo: todas as atrações serão montadas entre três e seis vezes. Os horários são calculados para que o espectador consiga ver todas as peças da programação.

Em 2015, a MITsp se expande geograficamente, atingindo dois espaços afastados do circuito tradicional da cidade: o Teatro-Parque Flávio Império, em Cangaíba (na Zona Leste), e o Teatro Alfredo Mesquita, em Santana (Zona Norte). Também estão previstos os teatros Paulo Autran (Sesc Pinheiros), Sérgio Cardoso, Anchieta (Sesc Consolação), João Caetano e o Auditório Ibirapuera.

Programação. A curadoria da Mostra mantém a lógica de trazer espetáculos radicais, com pesquisas relevantes e que mesclem o teatro a outras artes, como a dança e o cinema. Dez espetáculos estão confirmados, mas o programa pode chegar a 13. “Na MITsp, o fator numérico não é importante”, disse Araújo, em entrevista coletiva na quarta-feira. “A ideia é ter menos espetáculos, mas que eles ressoem, de alguma maneira, uns nos outros.”

Três linhas se destacam entre as montagens da próxima MITsp. Enquanto algumas trabalham com zonas de conflito geopolíticos, outras são releituras contemporâneas de textos clássicos. E muitas delas fazem uso de vídeo, deixando evidente a relação entre teatro e cinema.

Rússia e Alemanha são os dois países mais presentes, com duas peças cada: Opus Nº 7 (Dmitry Krymov) e uma versão de A Gaivota (Yury Butusov) marcam a participação do primeiro, enquanto o segundo vem com Stifters Dinge (Heiner Goebbels) e Senhorita Julia (Katie Mitchell e Leo Warner). O clássico de August Strindberg também poderá ser visto em Julia, de Christiane Jatahy. Presença brasileira da vez, a diretora também apresenta E Se Elas Fossem Para Moscou?. Em coprodução com o grupo holandês Toneelgroep Amsterdam, a MITsp tem a estreia mundial de Canção de Muito Longe, com direção de Ivo van Hove.

Veja a lista de peças confirmadas:

Opus Nº7 (Rússia) - Dmitry Krymov

Senhorita Julia (Alemanha) - Katie Mitchell e Leo Warner

Canção de Muito Longe (Holanda) - Ivo van Hove

A Gaivota (Rússia) - Yury Butusov

As Irmãs Macaluso (Itália) - Emma Dante

Stifters Dinge (Alemanha) - Heiner Goebbels

Arquivo (Israel) - Arkadi Zaides

Woyzeck (Ucrânia) - Andriy Zholdak

E Se Elas Fossem para Moscou? e Julia (Brasil) - Christiane Jatahy

Mais conteúdo sobre:
MITspTeatro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.