Claudia Abreu estreia em São Paulo 'Pluft, o Fantasminha'

Premiada por sua versão do personagem criado por Maria Clara Machado, atriz fala de planos para novas produções infantis

Eliana Silva de Souza, O Estado de S. Paulo

22 de novembro de 2014 | 03h00

Serão apenas quatro sessões no fim de semana, mas com certeza valerá muito conferir a encenação de Pluft, o Fantasminha, no Teatro Procópio Ferreira. O premiado e já clássico texto de Maria Clara Machado tem direção de Cacá Mourthé e traz no elenco a atriz Claudia Abreu. É a segunda vez - a outra foi há dez anos - que ela vive o personagem principal do espetáculo. 

“Já havia feito trabalhos para o público infantil, no começo da minha carreira. Gosto desse público, pois a reação é imediata, sincera, as crianças falam alto, se agitam, gritam o que pensam. Você tem que estar aberta ao imprevisto. E o olhar de encantamento delas, quando vêm falar com a gente no final, é incrível. Acho importante formar o público infantil com conteúdos de qualidade e isso não se vê muito por aí, quem tem filho sabe”, analisa a atriz, que, em 2013, foi reconhecida com o Prêmio Zilka Sallaberry por essa peça.

A ideia de voltar com a montagem de Pluft, segundo Claudia, se deve também ao fato de agora ela ter quatro filhos. Na época da primeira montagem, tinha apenas uma menina. Daí o empenho em mostrar aos mais novos uma obra como essa, o que teve reação bem positiva. “Eles (os filhos) amam a peça. Assistem direto, encenam em casa e ainda veem o DVD! Coitadas das babás... Fazer duas vezes o Pluft foi um presente carinhoso que eu quis dar para a infância deles”, explica a atriz e mãe. 

Mas com certeza não é apenas para os filhos que ela representa. Há um público grande e sedento de ver coisas boas, além de ser uma realização pessoal. Será que a atriz se diverte com o texto depois de tanto tempo? “Sim, muito! O texto dela (Maria Clara Machado) é poético, divertido e fala das sensações mais primárias do ser humano. Agrada ao público de qualquer idade”, afirma.

Fazer trabalhos para o público infantil é coisa séria, mas também divertida, animadora. E Claudia conta ter planos futuros e vem desenvolvendo projetos para as crianças em sua produtora, a Zola. “Eu e a Flávia Lins e Silva criamos um seriado sobre medo, que talvez seja exibido pelo canal Gloob. Também tenho um desenho com o personagem Mico Maneco, da Ana Maria Machado, que está em andamento. E queria fazer outra peça da Maria Clara. Eu, como mãe de quatro filhos, sei mais do que ninguém como é importante ter novidades de qualidade para as crianças. Elas assistem ao mesmo filme ou peça mais de 200 vezes, gostam de repetição, mas, muitas vezes, é por falta de opção também”, ela conta ainda. 

Completam o elenco da peça, Graziella Moretto, José Lavigne, Thelmo Fernandes, Miriam Freeland, Sergio Maciel, Pedro Kosovski e João Sant’Anna.

PLUFT, O FANTASMINHA

Teatro Procópio Ferreira. Rua Augusta, 2.823, Cerqueira César, tel. 3083-4475. Sábado e domingo, às 11 h e 15 h. R$ 80. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.