Tom Hanks tem estreia sólida na Broadway em peça mais ou menos, dizem críticos

Tom Hanks impressionou os críticos com sua estreia na Broadway em "Lucky Guy", a última peça de Nora Ephron, mas a falecida roteirista e diretora de Hollywood não se saiu tão bem com seu drama situado em uma redação que estreou na noite de segunda-feira.

Reuters

02 de abril de 2013 | 20h44

Como o jornalista de um tabloide Mike McAlary, que ganhou um prêmio Pulitzer cobrindo os escândalos policiais e os crimes pavorosos de Nova York para o Daily News e o New York Post, Hanks recompensa o público "com uma performance comprometida e generosa", disse a Entertainment Weekly.

O Hollywood Reporter disse que Hanks, duas vezes vencedor do Oscar e que já está sendo cotado como favorito para o Tony por seu trabalho na peça, "não tem medo de mostrar o personagem como um imbecil ofensivo, embora a integridade inata do ator garanta que lamentemos por Mike quando ele recebe alguns golpes duros".

McAlary era um repórter beberrão e de vida difícil que morreu jovem, aos 41 anos, de câncer, em 1998.

"Embora ele não tenha pisado em um palco em anos, a afável estrela de cinema volta à cena como um peixe para a água", disse a Variety sobre Hanks, cuja carreira no teatro era limitada a pequenas produções de Shakespeare nos anos 1970.

Mas os críticos foram menos empolgados com a peça de Ephron.

"Embora sincero, o show é uma confusão. Enfadonho e exageradamente linear, patina sobre uma superfície leviana como um típico filme de televisão", disse o Daily News.

Como a maioria, o New York Times gostou da interpretação de Hanks mais do que da peça.

"Hanks está sempre entusiasmado e habilidosamente presente para agir como uma ilustração animada para as histórias (de McAlary)", disse o jornal. "Mas não lhe é dado muito espaço para mais".

Acrescentou que a peça "pouco mais é do que a soma de suas anedotas" e "frequentemente parece ter apenas a profundeza de um papel de jornal", em contraste com a escrita e os filmes mordazes de Ephron.

A Entertainment Weekly descreveu a peça como "inconsequente e dramaticamente inerte" e "uma peça boba e apagada sobre um estúpido não particularmente notável com uma tendência à autopromoção".

O Hollywood Reporter chegou a uma conclusão dividida sobre a peça, dizendo que embora não fosse um drama excepcional e não tivesse complexidade, tinha "um roteiro inteligente, absorvente e entrelaçado com humor crepitante".

Hanks colaborou bastante com Ephron, incluindo filmes de sucesso como "A Sintonia do Amor" e "Mensagem para Você". Ephron morreu em junho, aos 71 anos, de complicações da leucemia.

As críticas, no final, provaram-se irrelevantes. Em sua primeira semana de estreias, a peça arrecadou mais de 1 milhão de dólares, junto com sucessos como "O Livro de Mórmon", "O Rei Leão" e "Wicked".

(Reportagem de Chris Michaud)

Tudo o que sabemos sobre:
TEATROHANKSESTREIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.