JF Diorio/AE
JF Diorio/AE

Teatro Municipal de São Paulo reabre as portas para o público em junho

Concerto de reabertura será feito pela Orquestra Sinfônica Municipal; veja fotos históricas e relembre curiosidades

Lucas Nobile - O Estado de S.Paulo,

27 de maio de 2011 | 14h16

O prefeito Gilberto Kassab (PSD) sancionou na manhã desta sexta-feira, 27, a lei de criação da Fundação Teatro Municipal de São Paulo. No evento, realizado na prefeitura, com a presença de diversos secretários municipais, como o da cultura, Carlos Augusto Calil, também foram anunciadas a programação para o ano e a data de reabertura do teatro, marcada para 10 e 11 de junho, para convidados, e dia 12 do mesmo mês, para o público.

Veja também:

mais imagensGaleria da reforma do Teatro Municipal

mais imagensAs imagens mais marcantes do Municipal

link Confira a programação completa

Na cerimônia, também foi apresentado pelo secretário municipal de Desenvolvimento Urbano Miguel Bucalém o projeto de construção de um estacionamento que ficará nas esquinas das ruas 24 de Maio e Conselheiro Crispiniano. O edifício, com área total de 12 mil m² e nove andares, atenderá o público no entorno do teatro e também terá uma passagem subterrânea com acesso direto ao Municipal.

O teatro, que havia passado por reformas em 1956 e em 1988 (até 1991), completa cem anos no dia 12 de setembro e está fechado desde julho de 2008 para reformar a fachada e o interior, com destaque para o palco e a parte cenotécnica, considerada obsoleta e que impedia, por exemplo, que óperas e outras grandes produções pudessem ser apresentadas. “Como vocês sabem, o principal o atraso nas obras do palco é que trouxe a reabertura a esta data. Tivemos dificuldades na licitação da reforma do palco, mas agora poderemos ter um aumento da produção artística e receber espetáculos mais complexos. Trata-se de uma tecnologia que nós ainda não dominamos, mas nosso funcionários acompanharam todo o processo e estarão aptos a desempenhar suas funções”, disse o secretário municipal de Cultura, Carlos Augusto Calil.

Foram quase três anos de obras e um investimento superior a R$ 26 milhões, com recursos financiados pelo Banco Intermediário de Desenvolvimento (BID). O projeto de lei para transformar o Municipal em uma fundação havia sido aprovado, em segunda votação, na Câmara de São Paulo, no último dia 5. No evento de ontem, no qual Kassab sancionou a lei, Calil lembrou da antiga “batalha” para que o teatro fosse administrado por uma fundação. “Esse esforço ocorre faz mais de 35 anos. E é importante deixar claro que o Municipal será uma Fundação de Direito Público, não privado. Quem disse que o teatro ia ser privatizado, falou bobagem. Além da restauração da fachada, da modernização do palco, o Municipal tem agora uma nova organização administrativa”, disse.

Sobre a morosidade na mudança para uma fundação, ele se justificou apontando a complexidade da estrutura. “Diferente de outros teatros, o Municipal tem diversos organismos, com duas orquestras, dois corais, um corpo de dança, um quarteto de cordas e as escolas. Havia desigualdades entre atividades semelhantes, com precariedades que se arrastavam fazia 20 anos. Isso precisa mudar”, completou Calil.

Ao comentar sobre a programação, com início marcado para o próximo dia 12, o diretor artístico Abel Rocha explicou a opção por Concerto para Quarteto de Cordas e Orquestra, de Radamés Gnatalli. “Escolhemos o Radamés por ele ter uma obra para quarteto e orquestra. Temos também a obra do Ralph Vaughan-Williams (Serenade to Music) que permite usar o coral. A dança não aparece, mas terá um mês dedicado à ela em julho. O objetivo é trabalhar com os corpos estáveis do teatro de maneira conjunta.”

Em relação à fundação, Rocha declarou: “Ainda tudo é muito novo. Existe o conselho artístico, trabalhamos juntos, mas futuro é futuro, não sei até quando permaneço, quero colaborar”.

 

HISTÓRIA

 

Fotos de peças e do entorno (clique para navegar)

 

 

Curiosidades

 

link A construção do Teatro Municipal consumiu oito anos, 4,5 mil contos de réis, 4,5 milhões de toneladas de tijolos, 700 toneladas de armadura de ferro e 50 toneladas de ferro fundido;

 

link O Municipal foi inaugurado em 12 de setembro de 1911 com a ópera 'Hamlet', de Ambroise Thomas, interpretada pelo barítono italiano Titta Rufo, com a participação de uma orquestra de 70 músicos, 56 coristas e 16 bailarinos;

 

link O Teatro Municipal manteve a fama, durante anos, de ser um lugar assombrado, onde almas vagariam durante as noites vazias;

 

link Ouro de 24 quilates ornamentam os capitéis e cornijas;

 

link O lustre principal tem 15 mil pingentes e 260 lâmpadas, pesa 300 quilos, mede aproximadamente dois metros e meio de diâmetro e dois de altura;

 

link As esculturas da escadaria do Municipal são de Afonso Aldinoffi, que foi professor de Victor Brecheret. Foram entalhadas em 1911;

 

link A Semana de Arte Moderna, que alçou o movimento modernista nas artes plásticas e na literatura, aconteceu no Teatro Municipal, em fevereiro de 1922;

 

link Em 1985, um laudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas indicou que o Teatro Municipal deveria ser fechado, o que foi feito pelo prefeito à época, Mário Covas;

 

link Construído em alvenaria e granito em mais de 1 mil metros quadrados, o subsolo do Municipal foi descoberto em 1987. A área, que estava soterrada, servia de abrigo para os gatos da Praça Ramos;

 

link Os gatos, aliás, miaram tão alto durante toda a temporada lírica de 1966  que chegaram a atrapalhar o canto da soprano Lucia de Lamemour;

 

link Durante a reforma da década de 80, foram descobertos dois mosaicos venezianos de ladrilhos minúsculos. Os painéis, que representam cenas do mar e a obra Cavalgada das Valquírias, estavam encoberto de tinta, fuligem e poluição. Foram limpos com cotonetes.

Mais conteúdo sobre:
Teatro Municipal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.