Musical 'O Livro de Mórmon' estreia em Londres com críticas mistas

O polêmico musical vencedor do Tony "O Livro de Mórmon" estreou em Londres com críticas mistas, nesta sexta-feira, em sua primeira versão fora dos Estados Unidos.

BELINDA GOLDSMITH, Reuters

22 de março de 2013 | 15h59

O musical, feito pelos criadores da comédia animada da televisão "South Park", é uma sátira sobre dois missionários mórmons de Salt Lake City que são enviados à África.

Os escritores Trey Parker e Matt Stone levam os mórmons a confrontarem um líder combatente tribal de um olho só que aterroriza os camponeses doentes terminais em Uganda, em um mundo onde a Aids domina e a circuncisão feminina prevalece.

A peça, escrita por Parker e Stone em colaboração com o co-criador de "Avenue Q" Robert Lopez, estreou na Broadway em março de 2011 e foi aclamada, ganhando nove prêmios Tony, a mais alta honraria da Broadway.

O musical estreou no bairro teatral londrino West End na quinta-feira, depois de um mês de pré-estreias com várias celebridades, incluindo o ator Damian Lewis, de "Homeland", e a atriz Kate Winslet e o marido Ned RocknRoll.

Uma publicidade agressiva, com cartazes por toda cidade e vendas limitadas de ingressos, ajudou a criar um frenesi em torno do show, num momento em que os teatros estão usando vários esquemas para lotar as salas e atrair novas plateias.

Os ingressos para os shows noturnos estão esgotados até junho, com um novo lote de ingressos divulgado na sexta-feira. Os promotores do show também estão realizando uma loteria diária que dá 20 ingressos.

"O Livro de Mórmon", com os atores norte-americanos Gavin Creel e Jared Gertner como os dois missionários, receberam uma recepção mista de críticos de Londres.

O crítico teatral Henry Hitchings, do jornal londrino Evening Standard, disse que alguns espectadores acharam o espetáculo pueril ou ofensivo.

"Mas é um retrato carinhoso do confronto de culturas e da amizade, que parodia vários musicais clássicos", escreveu ele, que deu ao show quatro estrelas, de uma classificação máxima de cinco.

O crítico do Telegraph Charles Spencer achou difícil se entusiasmar com o espetáculo, considerando um alvo fácil a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos dias, em cujas crenças "O Livro do Mórmon" se baseia.

"'O Livro de Mórmon' me parece um musical decadente e autoindulgente, e sua mistura de sátira e xarope acabam se mostrando repelentes", escreveu Spencer. "Sou o primeiro a admitir, porém, que essa é, provavelmente, uma opinião da minoria".

O Guardian chamou o espetáculo de "levemente divertido".

(Reportagem de Belinda Goldsmith)

Tudo o que sabemos sobre:
TEATROLIVROMORMON*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.