Membros do ABBA resolvem disputa com dramaturgo

Benny Andersson e Bjorn Ulvaeus, osdois membros homens do quarteto pop ABBA, resolveram umadisputa legal arrastada que tinham com um dramaturgo sueco emtorno dos créditos de um musical que, em certa época, sepretendia que fosse para a Broadway. Em comunicado conjunto divulgado na segunda-feira,Andersson, Ulvaeus e o dramaturgo Carl-Johan Seth disseram quevão colocar um ponto final na briga judicial em torno doscréditos de autor do musical "Kristina from Duvemala", queconta a história de uma família sueca pobre do século 19. O musical estreou em 1995 em Malmo, na Suécia, mas, antesde sua estréia prevista em Estocolmo alguns anos mais tarde, odramaturgo e os dois integrantes do ABBAS tiveram umdesentendimento em relação a quem deveria receber crédito pelahistória. Um advogado de Seth disse que os membros do ABBA acharamque o crédito deveria ser do diretor da peça. Como havia planosde levar a peça à Broadway, a questão precisava ser decidida.Nesse momento, segundo o advogado, Andersoon e Ulvaeus moveramuma ação contra Seth em Estocolmo. O tribunal decidiu em favor deles, mas Seth apelou contra adecisão. O advogado de Seth, Steffan Michelson, disse que aapelação foi arquivada como parte do acordo -- sobre o qual,porém, afirmou não poder dar maiores detalhes. "Estamos felizes por termos chegado a um acordo e podermoscontinuar a ser amigos", diz o comunicado dos três artistas. Michelson declarou que seu cliente está satisfeito e que oscréditos da história serão anunciados quando o musical voltar aser encenado. Disse, ainda, que há planos para uma novaencenação, mas não deu maiores detalhes sobre ela. Depois de fazer sucesso com o ABBAS na década de 1970,Andersson e Ulvaeus fizeram carreira no teatro. Seu musicalmais famoso, "Mamma Mia!", inclui muitas canções do ABBA e jáfoi encenado em todo o mundo. De acordo com o site dosartistas, a peça já foi vista por mais de 30 milhões depessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.