Isolamento existencial é questionado pelo Teatro da Passagem

Companhia apresenta três histórias paralelas sobre alcoolismo, violência sexual e desilusão amorosa

Da redação

05 de novembro de 2008 | 21h55

O Teatro da Passagem faz ensaio aberto nos dias 06, 09, 15 e 16 de novembro no Espaço Eureka. Na apresentação, o grupo indaga "Como se formam as ilhas?". São três histórias contadas de forma paralela. Os personagens mostram a metáfora de ilhas que desejam ser vistas, mas não conseguem enxergar um a outra por terem em comum a dor da indiferença e a falta de afeto. Alcoolismo, violência sexual e a perda de um amor são a tônica de cada história.   Atitudes que negam o afeto provocam o isolamento. Segundo o Teatro da Passagem os personagens tornam-se ilhas pela indiferença, negação e solidão. A companhia propõe discutir o trajeto e o processo para a formação dessas "ilhas humanas".   O texto do ator Ronaldo Záphas é baseado em histórias colhidas em pesquisas de campo, entrevistas e experiências pessoais. "É na realidade que extraímos a percepção de violências que começam na falta do cuidado de si e do cuidado do outro e chegam no avesso do afeto e na indiferença", afirma. Para o Teatro da Passagem a violência não está somente sob a forma de crimes, torturas, guerras, massacres e terrorismos. Também são violentas a pobreza, a desigualdade, a discriminação, o desemprego, a exclusão, a fome e o desamor.   Participam do ensaio os atores Ronaldo Záphas, Henrique Godoy Nunes, Juliana Mirovski, Adriano Carmona, Valério Fiel da Costa e Tânia Neiva.   O evento gratuito acontece no dias nos dias 6, 9, 15 de 16 deste mês e prevê a participação de 20 pessoas por sessão. Às quintas-feiras e sábados às 20h, e aos domingos às 19h. Para reservar lugar basta ligar no 9177- 5022. As apresentações ocorrem no Espaço Eureka, que fica na Alameda Nothmann, 1032 (Santa Cecília). A duração é de 100 minutos.    

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.