Balé Bolshoi se apresenta em Cuba pela 1a vez em 30 anos

Integrantes da companhia russa de balé Bolshoi se apresentaram em Cuba pela primeira vez em 30 anos no sábado, numa performance conjunta com o Balé Nacional Cubano, no teatro Karl Marx, em Havana.

REUTERS

14 Fevereiro 2010 | 13h00

O espetáculo coincidiu com a visita a Cuba do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, em um momento em que os aliados da Guerra Fria fortalecem laços enfraquecidos após o colapso da União Soviética, em 1991.

Em meio a aplausos do público, seis dançarinos do Bolshoi realizaram alguns dos números de balé clássico da famosa companhia, como "Lago do Cisne" e "Giselle."

Eles alternaram danças com membros do Balé Nacional Cubano, dirigido por Alicia Alonso, de 89 anos.

Alicia disse que o retorno do Bolshoi, que se apresentou pela última vez em Cuba em 1980, é um importante evento para a ilha comunista.

"Estamos todos muito felizes porque não há nada mais bonito para um país que a união dos artistas. Esse é o começo de uma boa amizade", afirmou ela a jornalistas.

Lavrov deixou Cuba no sábado para continuar uma viagem pela América Latina que inclui Nicarágua, Guatemala e México.

Durante sua visita, que começou na quinta-feira, o ministro russo se encontrou com o presidente cubano, Raúl Castro, e assinou acordos diplomáticos, incluindo um compromisso de conversas bilaterais com Cuba em 2011.

Ele disse que as relações de Rússia e Cuba se tornaram uma "associação verdadeiramente estratégica".

Autoridades russas disseram antes da visita que Lavrov e sua delegação discutiriam o fortalecimento dos laços econômicos com Cuba em áreas como eletricidade e alta tecnologia. Contudo, nenhum acordo foi anunciado.

Lavrov, a mais recente de uma série de autoridades russas a visitar Cuba nos últimos dois anos, discursou na quinta-feira ao abrir a Feira Internacional do Livro de Havana, que este ano destaca escritores da Rússia.

Mais conteúdo sobre:
TEATRO BOLSHOI CUBA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.