REUTERS/Seun Sanni
REUTERS/Seun Sanni

Série 'Oloture' narra história real de jornalista infiltrada em rede de prostituição

Em 2013, Tobore Ovuorie se passou por uma profissional do sexo após a morte de uma amiga, que foi para a Europa se prostituir com uma rede mafiosa.

AFP, O Estado de S.Paulo

04 de janeiro de 2021 | 11h36

Na tela, Oloture, a heroína do filme de mesmo nome da Netflix, é uma jornalista que se infiltra em uma rede de prostituição e tráfico de pessoas. Na vida real, Tobore, cuja história inspirou esta produção nigeriana de sucesso, não é mais que “uma sombra” de si mesma.

Em 2013, Tobore Ovuorie se passou por uma profissional do sexo após a morte de uma amiga, que foi para a Europa se prostituir com uma rede mafiosa.

“Quis fazer justiça por ela e contar a história por trás dessas mulheres exploradas” no Ocidente, conta à AFP esta jornalista de 39 anos.

Seu objetivo era “ganhar a confiança das prostitutas” para ser apresentada a uma “Madame” – uma das cafetinas traficantes que enviam dezenas de jovens para trabalhar para elas na Europa.

Depois de oito meses de investigação secreta, Tobore Ovuorie voltou com um relato chocante sobre os maus-tratos das jovens, mas também sobre as orgias organizadas por políticos locais e tráfico de órgãos para crimes rituais.

Seu relato, publicado em 2014 no jornal nigeriano Premium Times e na revista holandesa Zam Chronicles, inspirou uma produtora na Nigéria que o adaptou para as telas.

Oloture, que está na Netflix desde outubro, teve um grande sucesso internacional para um filme nigeriano, cujo cinema não costuma sair do continente africano.

“Oloture fala desses jornalistas que vão tão longe em sua investigação, que terminam sendo eles os protagonistas”, explica à AFP o diretor do filme, Kenneth Gyang. “Mas Oloture coloca no mapa principalmente essas mulheres vítimas de tráfico”.

O tráfico de mulheres para a exploração sexual é um verdadeiro tormento na Nigéria, especialmente na Cidade de Benin, no sul do país, que se tornou o centro de recrutamento de mulheres pelas redes criminosas para levá-las à Europa.

É difícil saber quantas, mas apenas na Itália estima-se que entre 10.000 e 30.000 nigerianas estão envolvidas na prostituição, segundo as autoridades.

Dezenas de milhares de outras nunca conseguiram atravessar o Mediterrâneo e estão presas na Líbia ou em outros países da África Ocidental, onde são exploradas pelos traficantes, que as fazem sonhar com a chegada à Europa.

Nas redes sociais, o filme foi alvo de debates, principalmente pelo seu final trágico.

“Para a maioria dessas mulheres, não existe luz no fim do túnel, então por que acabar com um final feliz?”, questionou o diretor.

Na vida real, Tobore conseguiu fugir para a fronteira de Benin, escapando da vigilância de seus traficantes em meio a uma multidão.

Desde então, sete anos se passaram, mas para Tobore a história ainda não terminou. A jornalista agora tenta encontrar as mulheres com as quais iria viajar para a Europa e contar sua vida após a partida.

O combate a essas redes se transformou na grande luta de sua vida, mas a um preço muito alto. “Que efeito essa investigação teve em mim? Não sou nada além da sombra de mim mesma”, disse com o coração pesado. “Tento sorrir, ficar feliz, mas a verdade é que na maior parte do tempo, luto para me segurar na vida”.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Netflix

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.