Netflix
Netflix

Série argentina 'Vosso Reino' aborda o uso político da religião

Seus primeiros oito episódios são movidos a reviravoltas, muita ação e golpes baixos, num ambiente em que políticos, pastores e manipuladores se esmeram numa luta renhida por dinheiro e pelo poder

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2021 | 20h00

“O velho mundo agoniza, um novo mundo tarda a nascer, e nesse claro-escuro irrompem os monstros.” A frase do filósofo italiano Antonio Gramsci (1891-1937), besta-fera dos seguidores de Olavo de Carvalho, serve de epígrafe à série argentina Vosso Reino, disponível na Netflix.

No lusco-fusco atual, em que surgem os monstros da extrema direita e do moralismo tacanho, a série, em sua primeira temporada, narra a ascensão de um pastor evangélico à presidência do país depois que o candidato principal é esfaqueado por uma pessoa aparentemente insana. 

Dirigida e escrita pelo cineasta Marcelo Piñeyro (Tango Feroz, Plata Quemada, O Método, Kamchatka), em parceria com Claudia Piñeiro, a série conta com elenco estelar. Diego Peretti e Mercedes Morán fazem o casal fundador da igreja (Reino da Luz). Chino Darín interpreta o filho de um político, que se torna braço direito do religioso e noivo de uma de suas filhas. 

A solidez do roteiro e a qualidade dos intérpretes contam a favor da série. Seus primeiros oito episódios são movidos a reviravoltas, muita ação e golpes baixos, num ambiente em que políticos, pastores e manipuladores se esmeram numa luta renhida por dinheiro e pelo poder. Não faltarão ingredientes dos nossos tempos como a influência judicial em processos escusos e nem mesmo o elemento tóxico da pedofilia estará ausente da trama. 

Emilio Vasques Pena (Diego Peretti) é o pastor carismático de sua igreja, secundado por sua mulher, Elena (Mercedes Morán), manipuladora e implacável. Julio Clamens (Chino Darín) é um advogado de passado confuso, filho de um político, e que encontra na igreja de Emilio e Elena um ambiente de reconciliação, mas também um campo fértil para plantar e colher os frutos de sua ambição. Em torno deles move-se um assessor político, Ruben Osório (Joaquin Furriel), que é quem de fato controla o jogo, aparentemente defendendo interesses econômicos estrangeiros. 

É fácil aproximar a ficção de Vosso Reino com o que de fato acontece na realidade do continente e também em outras partes do mundo. A descrença popular com a política tradicional tem permitido a ascensão dos chamados “outsiders”, os candidatos antissistema que praticam uma política populista, em geral de cunho religioso e moralmente retrógrado. 

A influência do campo religioso viceja nesse ambiente de medo e representa uma grande ameaça ao Estado laico. A novidade da série é associá-lo à criminalidade e à corrupção, denunciando a duplicidade moral em que se move. Tal enfoque não passou despercebido na Argentina, onde uma associação de igrejas evangélicas protestou e tentou forçar a Netflix a tirar a série do ar. A plataforma de streaming aparentemente não se intimidou e já anunciou uma segunda temporada de Vosso Reino

Convém registrar que estabelecer relações promíscuas com o Estado não é ambição exclusiva das crenças neopentecostais. Quem quiser observar como a igreja católica dos séculos 15 e 16 se comportava no poder secular pode assistir à ótima série Os Bórgias (Starzplay), bastante instrutiva. Pode também lançar um olhar aos Estados teocráticos contemporâneos espalhados pelo mundo e meditar se são algo desejável para a nossa sociedade. A separação entre Estado e Igreja foi uma conquista civilizacional que está sendo minada em vários países, Brasil incluído. 

Os autores de Vosso Reino tomaram cuidado para se manter no plano da ficção. A igreja comandada por Emílio e Elena não existe na realidade, embora possa ser reconhecida em dezenas de seitas conhecidas em vários países, inclusive no Brasil. O crescente poder político, o acúmulo de capital, a exploração da fé popular – tudo isso vem sendo estudado e denunciado mundo afora. Vosso Reino faz explicitar esse processo através de uma história inventada. Mas, como dizia um pensador da antiga Roma, a força da ficção é que ela fala de nós. 

Nesse sentido, é curioso que uma série como esta tenha surgido na Argentina, país onde a presença evangélica é menor que no Brasil, embora crescente. Entre nós, os efeitos corrosivos das crenças neopentecostais sobre a sociedade ainda não foram tratados em produções de streaming, mas são mote principal de dois ótimos filmes – Divino Amor, de Gabriel Mascaro, e do ainda inédito Medusa, de Anita Rocha da Silveira, apresentado no Festival de Berlim. 

Ambos são críticos e colocam o foco na regressão dos costumes e na opressão das mulheres, cuja liberação é vista com temor, desconfiança e hostilidade pelas igrejas. Vosso Reino tem isso também, mas estende seu foco à questão política em seu âmbito tradicional, o da conquista do Estado, e pelos meios que forem necessários. Tudo em nome da família, da pátria, de Deus, da moral e dos bons costumes, é claro. A série funciona como um espelho cruel do nosso mundo. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.