Apple TV+ via AP
Apple TV+ via AP

Oliver Jackson-Cohen encanta e mistifica no thriller 'Superfície', nova série da Apple TV+

De viciado em 'A Maldição da Residência Hill' ao cara que atormenta Elisabeth Moss 'O Homem Invisível', seus papéis nos últimos anos foram principalmente de pessoas imperfeitas

Alicia Rancilio, Associated Press

04 de agosto de 2022 | 20h00

Ei, agentes de elenco, escutem uma coisa: Oliver Jackson-Cohen está interessado em papéis mais leves. Isso não significa que ele não tenha gostado dos personagens mais sombrios e até assustadores que ele fez nos últimos anos - mas sua mãe diz que ele precisa de uma pausa.

O comentário de mãe veio no ano passado, quando Jackson-Cohen chegou a Vancouver para filmar a nova série Superfície, que agora é transmitida semanalmente na Apple TV+. Ela disse: “‘Você não vai fazer um daqueles seus meninos tristes, vai?’. E eu falei: ‘Como é que é?’. E ela emendou: ‘Você está sempre triste (palavrão). Faça alguma coisa mais leve, que eu possa gostar de ver’”, riu Jackson-Cohen. “Então isso meio que ficou comigo”.

Os últimos anos foram bem corridos. Entre os destaques mais recentes da carreira de Jackson-Cohen estão a série A Maldição da Residência Hill da Netflix e sua continuação, A Maldição da Mansão Bly. Ele também aterrorizou Elisabeth Moss em O Homem Invisível e interpretou o marido controlador de Dakota Johnson em A Filha Perdida. Mas ele teve um descanso na comédia romântica deste verão Mr. Malcom's List, uma experiência que ele descreve como “uma brincadeira deliciosa”.

Em Superfície, Jackson-Cohen estrela ao lado de Gugu Mbatha-Raw como James, um marido tentando desesperadamente manter as aparências de um casamento feliz depois que um acidente fez com que sua esposa, Sophie (Mbatha-Raw), perdesse a memória de longo prazo. Quanto mais James tenta disfarçar os problemas do passado, mais Sophie fica desconfiada e distante.

“É muito interessante quando alguém está guardando um monte de segredos”, disse ele. “Isso cria muita tensão e, se você não tem permissão para dizer certas coisas e está se segurando muito, as pessoas podem perceber de várias maneiras diferentes. Espero que tenha funcionado e pareça superprotetor ou controlador ou o que quer que seja - até mesmo sinistro. Mas espero que, conforme a série for continuando e descascando as camadas, as pessoas percebam o que está por baixo de tudo”.

Veronica West, criadora e showrunner de Superfície, diz que é o equilíbrio entre mística e proximidade que traz “algo super especial para a performance de Olly” na série.

“Ele tem uma intensidade que pode parecer muito perigosa, mas também extremamente carismática e magnética. Eu me lembro da primeira vez que nos encontramos pessoalmente. Tinha uma música tocando e ele começou a fazer uma dancinha de ombros e eu fiquei tipo, ‘Essa é a coisa mais pateta e charmosa da Terra’. E acabamos incorporando isso numa cena, ele parece um pouco ameaçador no subtexto, mas também tem esse charme imenso. Acho que essa é a dualidade do James”.

Jackson-Cohen diz que acha que é terapêutico interpretar pessoas cheias de falhas. “Não sei o que isso diz sobre mim, mas me sinto atraído pela dor das pessoas. Acho a expressão dessa dor uma coisa incrivelmente reconfortante”.

Por enquanto, Jackson-Cohen está de volta a Vancouver ao lado de Jenna Coleman, filmando uma série para o Prime Video chamada Wilderness, que ele descreve como “nem um pouco leve”. Em seguida, ele espera que haja mais uma temporada de Superfície, da qual ele gosta, pelo menos em parte, porque conhece Mbatha-Raw há anos.

“Fiz um dos meus primeiros trabalhos com Gugu quando eu tinha 19 anos. Nós gostamos de um episódio de alguma coisa muito questionável da BBC, nós nos conhecemos desde então, e ela é um ser humano maravilhoso”. / TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.