Marvel Studios
Marvel Studios

O que saber sobre 'What If ...?', série da Marvel que traz a voz de Chadwick Boseman

Produção marca a primeira incursão da Marvel Studios no mundo da animação, ao mesmo tempo que se inspira no clássico 'What If ...?' quadrinhos que surgiram em 1977

David Betancourt, The Washington Post

11 de agosto de 2021 | 17h12


E se o universo cinematográfico da Marvel tivesse uma realidade alternativa animada? 

Essa é a premissa por trás da nova série What If ...?, cujo primeiro de seus nove episódios começou a ser exibido no Disney Plus na quarta-feira. Ele marca a primeira incursão da Marvel Studios no mundo da animação, ao mesmo tempo que se inspira no clássico What If ...? quadrinhos que surgiram em 1977.

Esses quadrinhos - e o show - usam o poder do hipotético, remixando histórias clássicas e levando personagens da Marvel a lugares que mesmo os fãs mais lidos não veriam chegando. A primeira edição de What If...? imaginou o Homem-Aranha se juntando ao Quarteto Fantástico (embora isso tenha acontecido nos quadrinhos convencionais). 

A série usará táticas semelhantes de narrativa, mas as aplicará à primeira década do Marvel Studios no cinema. Um episódio apresenta a agente Peggy Carter, dublada por Hayley Atwell, a atriz dos filmes do Capitão América, quando ela era o interesse amoroso de Steve Rogers, vivido por Chris Evans. Em What If...?, ela é o soldado que toma o super-soro e recebe um escudo, tornando-se a Capitã Carter.

O objetivo de cada episódio é atrair o espectador com momentos familiares de MCU antes que ele perceba que não tem ideia do que vai acontecer. "A primeira pergunta nunca foi 'e se...'. A primeira pergunta é onde está o coração do herói?" disse A.C. Bradley, principal redator da série. "Onde está a humanidade desses personagens icônicos que passamos tantos anos assistindo na tela e crescendo lendo histórias em quadrinhos? Como vamos além do escudo? Então, com Peggy Carter era algo tão simples como: ela era uma mulher na década de 1940 que diz: 'vou ficar no quarto e como isso vai mudar o mundo?'."

Quando ela e o diretor Bryan Andrews tiveram ideias, Bradley brincou sobre querer fazer um episódio em que a mulher pela qual Thor se interessa, Jane Foster, se tornasse Thor - mas ela foi informada para não ir adiante porque essa é justamente a linha da história do próximo filme de Thor de Taika Waititi

O presidente da Marvel Studios, Kevin Feige, o arquiteto das narrativas interconectadas da última década, fez parte do processo de tomada de decisão. De acordo com Bradley, a habilidade fantástica de Feige de entender o universo MCU foi inestimável. 

 


Em um episódio, T'Challa, o príncipe de Wakanda, não cresce para se tornar rei e assumir o manto da Pantera Negra. Em vez disso, ele é levado para o espaço como uma criança e cresce para se tornar o Senhor das Estrelas, líder dos Guardiões da Galáxia

T'Challa é dublado pelo falecido ator Chadwick Boseman, que interpretou o Pantera Negra no filme de 2018,  que arrecadou um bilhão de dólares nas bilheterias. Bosman morreu em 2020 de complicações de câncer de cólon. Trabalhar com Boseman deixou uma impressão duradoura nos produtores de What If ...?, nenhum dos quais sabia que o ator estava doente ou que as falas que ele estava gravando representariam sua última apresentação no MCU.

"Ele estava animado em tocar um riff ligeiramente diferente no T'Challa porque  se preocupava com o T'Challa e tudo o que ele representa", disse Andrews. "Eu acho que ele já sabia o que estava passando e viu isso como mais uma oportunidade de trazer um tom diferente para o personagem. Aqui está um T'Challa com um pouco mais de coração leve, com mais piadas. Estamos gratos por termos outro trabalho com ele." 

Bradley diz que Boseman entendeu o impacto de T'Challa nas gerações mais jovens que viram o Pantera Negra se ombrear com ícones da MCU como Homem de Ferro e Capitão América - ele sabia que tais imagens eram importantes para o futuro dos Estúdios da Marvel. 

"Quando  veio para gravar, não trouxe só uma opção para o personagem, mas várias. Ele era o melhor", disse Bradley. "Não percebemos na hora que estávamos na sala com uma lenda de que íamos perder muito rapidamente." 

O narrador e supervisor da série é o The Watcher, que veio dos quadrinhos originais. Ele é dublado por Jeffrey Wright, que conhece os universos de super-heróis no cinema. Recentemente, ele terminou de filmar The Batman, de Matt Reeves, no papel do novo comissário Gordon. Rodar suas cenas em um filme de super-herói no centro de uma pandemia foi bem diferente de que dar voz a um personagem.



"Trabalhamos duro para fazer [The Batman] em condições realmente desafiadoras", disse Wright. "Gosto da especificidade do trabalho de voz. Gosto de ter essa opção. Gravei alguns desses episódios durante a pandemia, então tivemos que improvisar." 

The Watcher é um ser alienígena que nunca se envolve nos cenários de realidade alternativa que o show apresenta, apenas observando e verbalmente preparando o cenário para o inesperado. Ele é um fanboy cósmico intergaláctico. 

Wright usou o conhecimento enciclopédico da Marvel de seu filho, que agora tem 19 anos - e as memórias de levá-lo para ver os filmes da Marvel nos cinemas - como sua inspiração para o personagem. 

"Ele é descrito [nos quadrinhos] como o ser mais dramático do universo conhecido", disse Wright. "Tem poderes que são exclusivos dele, mas também é onipresente, de certa forma discreta. Então, em certo sentido, ele não está sendo apresentado agora. Sempre esteve lá. Sempre esteve lá observando."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.