Nicole Rivelli/Netflix
Nicole Rivelli/Netflix

Netflix lança o drama ‘Inventando Anna’, criado por Shonda Rhimes

Com Julia Garner, série é inspirada em artigo publicado na revista New York Magazine

Redação, O Estado de S. Paulo

11 de fevereiro de 2022 | 14h15

Julia Garner admite ter se sentido intimidada quando conheceu Anna Sorokin – que se fez passar por uma herdeira alemã na sociedade de Nova York chamada Anna Delvey – e mais tarde foi condenada por fraude. O que surpreendeu Garner naquela reunião na prisão? Sorokin era simpática.

“Eu realmente queria obter a energia dela”, disse Garner. “O que estava acontecendo – que eu não esperava – era o quão borbulhante ela era, quão charmosa. Quando saí daquela visita, fiquei tipo, uau, é por isso que ela estava tão perto de conseguir tudo o que queria.”

Em Inventando Anna, uma jornalista pressionada a provar o seu valor investiga o caso de Anna Delvey, uma herdeira alemã, famosa no Instagram, que roubou os corações (e o dinheiro) da alta sociedade de Nova York. Será que a Anna é a maior trambiqueira da cidade ou apenas o novo retrato do sonho americano?

Anna e a repórter têm uma estranha relação de amor e ódio. Enquanto Anna aguarda o julgamento, a jornalista corre contra o relógio para responder à pergunta que intriga a cidade: quem é Anna Delvey? A série é inspirada no artigo Como Anna Delvey Enganou os Socialites de Nova York, em tradução livre), publicado pela New York Magazine e de autoria de Jessica Pressler.

Mas uma pessoa em particular não está interessada na série. A verdadeira Sorokin escreveu uma carta aberta publicada pela Insider.com, afirmando que ela não estará assistindo, dizendo que "nada... parece atraente" sobre o programa.

Um ano atrás, Sorokin saiu da prisão depois de cumprir cerca de dois anos. Ela está atualmente sob custódia do Departamento de Imigração e Alfândega dos EUA e aguarda uma possível deportação para a Alemanha.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.