NETFLIX
NETFLIX

Ministro britânico pede à Netflix aviso de ficção antes dos episódios de 'The Crown'

'Sem isso, temo que uma geração de espectadores que não viveu estes eventos podem confundir a ficção com a realidade', afirmou

Agências, AFP

30 de novembro de 2020 | 10h00

O ministro da Cultura britânico, Oliver Dowden, pediu a Netflix que deixe claro que sua aclamada série The Crown, sobre a família real, é uma obra de ficção para que o público não confunda com a realidade. 



Segundo o jornal Mail on Sunday, que faz a mesma solicitação, o ministro pedirá formalmente à plataforma que introduza uma advertência no início de cada episódio para explicar que a trama é ficção.

"É uma maravilhosa obra de ficção, mas como outras produções televisivas a Netflix deveria ser muito clara desde o início que é somente isso e nada mais", disse Dowden ao jornal. "Sem isso, temo que uma geração de espectadores que não viveu estes eventos podem confundir a ficção com a realidade", afirmou.

A quarta temporada da série, disponível há duas semanas, inclui a história do conturbado casamento do Príncipe Charles com Lady Di.O herdeiro da coroa aparece como um marido frio e infiel, um retrato que não é exato, segundo a especialista em realeza Penny Junor, que escreveu uma biografia sobre o príncipe. 


 


Provavelmente "foi um pouco insensível às vezes, mas não acredito que era arrogante ou indiferente, acredito que realmente tentou fazer o casamento funcionar", disse à AFP.

As declarações do ministro da Cultura reforçam as recentes afirmação do irmão de Lady Di, Charles Spencer, que pediu uma mensagem de aviso no início de cada episódio.

A série The Crown, um sucesso de crítica e público, já ganhou três Globos de Ouro e oito prêmios Emmy e foi assistida por mais de 70 milhões de assinantes, segundo a Netflix. 

Não é a primeira vez que as liberdades tomadas pela série são criticadas. 

No ano passado, quando estreou a terceira temporada, o ex-secretário de imprensa da Rainha Elizabeth II, Dickie Arbiter, criticou a insinuação de que a soberana teria tido um romance com o treinador de seus cavalos de corrida, Lord Porchester.

"É de mau gosto e totalmente infundado", disse ao jornal Sunday Times. "A rainha é a última pessoa no mundo que consideraria olhar para outro homem que não seja seu marido", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.