Canal Brasil
Canal Brasil

Karine Teles estrela 'Os Últimos Dias de Gilda', série brasileira no Festival de Berlim

'Ela gosta de comer, dançar, transar. Todas as coisas que a nossa sociedade adora regular', diz a atriz em entrevista ao 'Estadão'

Eliana Silva de Souza, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2021 | 10h00

Uma mulher que vive sua vida intensamente, se preocupando em buscar a sua felicidade sem se importar com o que a sociedade e seus vizinhos possam pensar ou dizer. Gravada no Retiro dos Artistas, no Rio de Janeiro, a série Os Últimos Dias de Gilda caminha pelas espinhosas trilhas do preconceito e da quebra de tabus impostos pelos ditames sociais. A produção, protagonizada por Karine Teles, foi selecionada para o Festival de Berlim e está disponível no Globoplay. O Canal Brasil a exibirá, no dia 8 de março, em uma maratona com os quatro episódios em sequência, a partir das 20h30. 

Na história, Gilda é uma mulher que sabe muito bem o que quer da vida e de suas relações. Mora sozinha, cria porcos e galinhas no quintal e passa parte do tempo cozinhando, o que ela faz muito bem. No entanto, essa sua forma de viver acaba incomodando algumas pessoas, como é o caso de sua vizinha Cacilda, interpretada por Julia Stockler, casada com Ismael (Igor Campagnaro). E aí entra um dos fatores que vão complicar o mundo da protagonista. O rapaz é candidato a um cargo público por um partido ligado a um grupo religioso. E as pessoas daquele lugar serão obrigadas a colaborar com a campanha, colocando um cartaz do candidato na porta de casa. Gilda, porém, não pretende participar disso, procurando se manter independente, o que não será encarado de forma tranquila, dando início a uma série de agressões a ela a aos que se unirem a ela. E será o caso da vizinha e amiga Jandira (Ana Carbatti) e do segurança Wallace (Antonio Saboia) que, junto com Gilda, se permitem viver o amor e o sexo de forma ampla. 

Gilda é um pouco de todas as mulheres do mundo, aliás, “de todos os femininos”, avalia Karine Teles sobre a personagem que ela conhece muito bem, pois teve a oportunidade de interpretá-la, em 2004, no teatro, no monólogo escrito por Rodrigo de Roure. “Gilda tem o benefício de ser uma personagem fictícia e, nessa liberdade, nessa potência que a gente tem na criação de metáforas, de significados através da arte, a gente pode inflar uma única mulher com características de muitas”, diz a atriz e corroteirista da série junto com Gustavo Pizzi, que assina a direção do seriado. 

Em conversa com o Estadão, por telefone, Karine e Gustavo refletem sobre a atualidade da história e de seus personagens, comemorando a indicação para integrar uma mostra em Berlim. A dupla, aliás, repete aqui essa parceria de sucesso no cinema, que pode ser conferida em Riscado (2010) e Benzinho (2018). “A gente tem uma tradição muito grande de filmes entrando em grandes festivais internacionais, ocupando esse mercado, mas é a primeira vez que uma série brasileira entra na seleção oficial”, comemora o diretor ao enfatizar a representatividade do fato. “Acho que isso abre muito espaço não só para a gente, mas também para um olhar para essa produção seriada brasileira. Foi uma notícia fantástica”, diz. 

A história de Gilda se passa em uma pequena vila de casas, onde os vizinhos vivem entre o amor e ódio. Trata-se, no fundo, de um microcosmo que reflete a sociedade arcaica em que vivemos, principalmente em relação à forma como as pessoas escolhem para viver. Esse é o tema central da minissérie, o fato de uma mulher morar sozinha, ganhar seu próprio dinheiro, ter sua religião e não se limitar a ter um único homem. “A Gilda é isso, é o feminino descobrindo o seu poder, a sua liberdade, e incomodando profundamente só por existir livre, é o que a gente percebe que incomoda de fato”, afirma Karine, que acha que Gilda é uma mulher utópica. “Acho que ela tem um amor, uma empatia, uma sororidade que são inspiradores para mim.” 

Como a trama vem em um crescendo de tensão, algumas cenas causam maior impacto. Karine destaca a cena em que a sua personagem é agredida pelos vizinhos, que atiram tomates nela. “Foi um momento que eu não vou esquecer.” Segundo a atriz, a encenação foi tensa e teve de ser rodada mesmo com chuva, pois não havia como ser feita em outro dia. E comemora a realização da cena que, para ela, é “superpotente”. 

Com um final emocionante, o que se vê em cena o tempo todo é uma mulher que ama a vida e aproveita os prazeres que ela proporciona. “Ela gosta de comer, dançar, transar. Todas as coisas que a nossa sociedade adora regular”, conta ainda Karine Telles.

'A gente tem de se juntar contra o que realmente faz mal pra todos', diz Gustavo Pizzi

A série reflete a sociedade?

Essa vila é um pouco do que tem no País. Traz o que acontece quando a gente toma atitudes que vão de encontro à liberdade de outras pessoas.

Como define as cenas que intercalam os episódios?

São momentos que ajudam a compor esse crescente dramático, da tensão em torno da personagem. 

A série tem uma mensagem?

Se a gente tem uma mensagem, seria de uma certa maneira entender que a gente tem de se juntar contra o que realmente faz mal pra todos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Karina TelesGloboPlay

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.