Netflix via AP
Netflix via AP

Gwyneth Paltrow aborda tabus da vida entre quatro paredes em série da Netflix

A atriz ganhadora do Oscar e empreendedora por trás de uma marca de beleza e bem-estar ajudou a desenvolver uma nova série sem roteiro, ‘Sex, Love & goop’, que quer melhorar os relacionamentos e a vida sexual de seis casais

Brooke Lefferts, AP

22 de outubro de 2021 | 10h00

NOVA YORK - Gwyneth Paltrow admite que tem inseguranças sobre sua aparência física num episódio de sua nova série da Netflix, Sex, Love & goop, mas está trabalhando nisso. A vencedora do Oscar e empresária por trás da marca goop beauty and wellness estreia na série de seis episódios que quer melhorar os relacionamentos e a vida sexual de seis casais corajosos.



Quando algumas mulheres do programa citaram a imagem corporal como um obstáculo ao sexo, Paltrow compartilhou sua experiência. Ela explicou que, amadurecendo aos olhos do público desde os 22 anos, estava sempre tentando se encaixar em algum ideal.

“Acho que nunca conheci uma mulher que se sentisse completamente bem com seu corpo, e isso é uma vergonha”, disse Paltrow numa entrevista recente à Associated Press.

“Isso significa que estamos nos prendendo a algum padrão que nos foi prescrito e é muito externo, não é nada interno. Neste ponto da minha vida, definitivamente não sou uma pessoa perfeita, mas estou sempre numa jornada rumo ao autoaperfeiçoamento. Eu realmente gosto de mim. Eu conheço meus defeitos. Acho que não tenho mais pontos cegos e estou tentando cultivar esse mesmo sentimento em relação ao meu corpo”.

Paltrow, 49 anos, também aponta que queria “se mostrar mais vulnerável”, já que estava pedindo aos casais que fizessem o mesmo. Os seis pares incluem pessoas de várias idades, etnias e orientações sexuais que trabalham com especialistas para aprender novas maneiras de se ver e aumentar a intimidade, usando métodos e ferramentas para melhorar seus relacionamentos por meio de um sexo mais prazeroso.

Uma das missões da goop é estimular a curiosidade e “eliminar a vergonha em torno da sexualidade feminina” por meio de seus conteúdos e produtos. Paltrow diz que a melhor maneira de conseguir tudo isso é falando sobre sexo e dando às pessoas permissão para pedir o que querem entre quatro paredes.

“O prazer feminino ainda é considerado um tabu e acho que, se você olhar para trás ao longo da história, você entende que controlar o prazer das mulheres, ou a falta dele, ou, você sabe, separar o prazer da moralidade, é uma forma de fazer as mulheres não se sentirem plenas”, ela disse.

 


As especialistas do programa - uma bodyworker sexológica, uma coach de tantra e intimidade sagrada e uma coach de bem-estar erótico - ajudam os casais por meio de discussões profundas e exercícios físicos.

Muitos casais se ofereceram para participar do programa na esperança de resolver desentendimentos ou atitudes em relação ao sexo, que variavam de diferentes níveis de desejo a reclamações pela perda da centelha física do relacionamento.

Michaela Boehm, especialista em intimidade da série que trabalhou com Paltrow pessoalmente, diz que está animada com Sex, Love & goop porque deixará seus conselhos mais acessíveis a pessoas que de outra forma relutariam em fazer terapia sexual.

“Você está fazendo essa terapia na privacidade de seu quarto ou sala de estar, onde está assistindo. Não tem estigma e você não precisa se expor. Você consegue entrar na água, por assim dizer, um dedinho de cada vez”, disse Boehm.

“Como não falamos sobre essas coisas, as pessoas pensam que estão erradas ou são as únicas que estão passando por isso”, disse Boehm. “Então, ver e entender que essas coisas acontecem já tira boa parte da pressão, abre uma porta e cria uma confiança que pode levar a um relacionamento mais profundo”.

Boehm e Paltrow disseram que ficaram emocionadas com a coragem que os casais demonstraram. “É preciso ter uma certa coragem para se submeter a algo assim”, disse Paltrow. “Muitos desses casais realmente têm quase aquela coisa de estrela de cinema, você simplesmente se importa com eles e quer continuar assistindo”.

O programa - que começa a ser transmitido na quinta-feira - traz um aviso no início, dizendo que foi “concebido para entreter e informar, não fornecer conselhos médicos”, uma isenção de responsabilidade que se antecipa às críticas que Paltrow e a goop costumam receber. Algumas das sessões que mostram os casais experimentando brinquedos sexuais e acessórios, incluindo vendas e uma “garra de Wolverine” de metal, certamente chamarão a atenção.

A goop foi criticada por promover produtos e experiências não convencionais no esforço de educar os consumidores e, por ser um rosto famoso à frente da marca, Paltrow tem sido um alvo fácil. “Tenho uma admiração incrível por ela porque ela está disposta a se colocar em lugares difíceis. Eu, pessoalmente, não sei se teria coragem de ser criticada nessa intensidade”, disse Boehm.

“Quando ela decidiu ficar consciente de verdade sobre o distanciamento entre casais e todas essas coisas, todo mundo ficava revirando os olhos, todo mundo ficava ridicularizando. Mas agora que você olha e as pessoas estão realmente mais dispostas a aceitar que poderiam ter situações de coparentalidade e famílias misturadas que são muito mais funcionais, e isso é em grande parte porque ela se expôs”.

Sim, a goop quer educar e empoderar, mas também é um negócio, então, com o lançamento da série, seu site está destacando dois novos produtos: um vibrador e um suplemento de libido feminina.

“Acho que as mulheres foram inculcadas com a ideia de que não merecemos pedir essas coisas, e acho que isso realmente nos atrapalha”, Paltrow disse. “O tema do sexo é uma ótima maneira de pegar uma escavadeira para tentar quebrar tudo isso, porque é uma coisa que todas nós fazemos, é algo que realmente nos conecta a nós mesmas”.


TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.