Lucas Cunha / Netflix
Lucas Cunha / Netflix

Bruna Marquezine tem que manter as aparências na nova série 'Maldivas'

Produção, disponível na rede, tem corrupto, ex-dançarina, uma morte misteriosa e protagonista entre dondocas e segredos na Barra da Tijuca

Daniel Silveira, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2022 | 05h00

Uma menina que cresceu longe da mãe e foi criada pela avó paterna decide reencontrá-la para entender os motivos de ter sido abandonada. Então, parte para o Rio de Janeiro, onde mora em um condomínio de luxo cheio de mulheres ricas e com questões bem peculiares. O bairro é a Barra da Tijuca, que tem alguns dos metros quadrados mais caros da cidade. Bem-vindos a Maldivas.

A série, disponível na Netflix, marca a chegada de Bruna Marquezine ao serviço de streaming – anunciada como a grande contratação em 2021. Bruna é Liz, filha de Patrícia (ou Leia), vivida por Vanessa Gerbelli. As duas atrizes revivem o parentesco 19 anos depois – elas já foram mãe e filha em Mulheres Apaixonadas, na estreia de Bruna em novelas.

Liz vai ao Maldivas, o condomínio que dá título à produção, em busca da mãe e de explicações para sua história. No entanto, ao chegar a encontra morta em um incêndio repleto de situações inexplicadas. Também moram no lugar Kat (Carol Castro), Rayssa (Sheron Menezzes), Milene (Manu Gavassi) e Verônica (Natalia Klein), que são vizinhas. Logo no início do primeiro episódio, essas mulheres são apresentadas como dondocas à beira da piscina, esperando o bar abrir para pedirem suas bebidas. 

Kat é casada com um empresário preso por corrupção, com quem tem dois filhos; Rayssa é ex-dançarina e tem um relacionamento aberto com seu marido, que também dançava no mesmo grupo de axé outrora famoso; Milene é casada com um cirurgião plástico que a moldou inteira, mas segue tendo problemas com o marido, o corpo e o dinheiro. 

Já Verônica é a única que não parece ter tantas questões, exceto herdar o cargo de síndica do condomínio após a morte de Patrícia. Todas têm segredos que escondem umas das outras entre os banhos de piscina regados a drinques coloridos.

No caso de Kat, ela precisa lidar com o fato de não apenas estar casada com um corrupto, mas de se envolver em um de seus rolos, tornando-se cúmplice. “Ela está nesse dilema pessoal, de qual caminho tomar, agora que já está afundada até o pescoço, e vai arrumar meios como sempre ousados e divertidos, como ela é, para tentar resolver essa situação”, explica Carol Castro em entrevista ao Estadão.

Já a situação de Rayssa não diz respeito à Justiça, mas à lealdade a uma das amigas. A ex-dançarina vive um romance extraconjugal com o marido de uma delas e um dos seus problemas é que o caso venha à tona e atrapalhe a imagem que ela tem na vida pública, ameaçando a perda de contratos de publicidade. “Ela é uma empreendedora que tem um olhar nos negócios e quer fazer valer toda oportunidade que tem”, diz Sheron Menezzes.

Como Patrícia sabe demais sobre todas elas, as mulheres ricas do condomínio acabam se tornando suspeitas da morte da síndica. Liz, que acaba de chegar ao local em busca da mãe, vai tentar reunir provas e acaba se aproximando das meninas na tentativa de encontrar a verdadeira assassina.

Maldivas põe mulheres endinheiradas no centro da trama, trazendo desde questões universais, como a maternidade e a relação entre mãe e filha, até outras nem tão comuns assim, como o vício de comprar, por exemplo. E a história mistura algumas gerações de atrizes. Além do núcleo central, que une Carol, Bruna, Sheron, Manu, Natalia e Vanessa, a série conta com a presença da veterana Ângela Vieira, que interpreta a avó de Liz e, tal qual as outras personagens, também guarda seus segredos.

A trama se passa na Barra da Tijuca, mas, como diz Carol, poderia ser em qualquer outro bairro ou condomínio. “Acho que seria legal deixar isso claro”, ressalta a atriz. “Porque todo mundo tem esses problemas – dentro de casa é uma coisa, mas quando se sai é preciso manter as aparências.” Ela diz não ter se inspirado especificamente em uma pessoa para compor Kat, mas admite que o fato de já ter morado no bairro e observado mulheres parecidas com sua personagem a ajudou a criar seu papel: uma loira, meio dondoca, sempre com cabelo e unhas impecáveis.

Um caminho parecido foi usado por Sheron. “Não sei ao certo qual foi a minha inspiração, mas vejo muita TV, muita série e tivemos uma preparação bem grande”, comenta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.