Apple TV +
Apple TV +

Anne Hathaway e Jared Leto estão em série sobre a ascensão e queda da WeWork

'WeCrashed' tem oito episódios sobre a história dos fundadores da empresa e começará a ser exibida na Apple TV + nesta sexta; veja trailer

Alicia Powell, Reuters

16 de março de 2022 | 18h54

A história de ascensão e queda da empresa de escritórios compartilhados WeWork foi transformada em uma série de televisão com Anne Hathaway e Jared Leto, ambos ganhadores do Oscar, como protagonistas.

WeCrashed, uma minissérie de oito episódios sobre os fundadores da WeWork, Rebekah e Adam Neumann, começará a ser transmitida na Apple TV + na sexta-feira. O programa detalha a história de amor do casal, seus sucessos e erros.

Em 2019, quando a WeWork tentou lançar uma oferta pública de ações com Adam Neumann como presidente-executivo, a proposta de venda de ações implodiu depois que investidores ficaram abalados com os pesados prejuízos da empresa, o estilo de gestão de Neumann e os problemas na governança corporativa da WeWork.

Leto assumiu o papel de Adam Neumann, um empresário israelense, após filmar a Casa Gucci, filme sobre a famosa família da moda italiana, e disse que a transição foi um desafio.

"Grandes personagens, personagens muito, muito diferentes", disse. "Começa apenas com os sotaques. Havia muito o que aprender"

Parte desse processo de aprendizagem foi um encontro secreto com Adam Neumann ocorrido sem o conhecimento dos cineastas, onde Leto ofereceu conselhos ao empresário.

"Eu disse a ele: 'não assista nunca'... Antes de tudo, ele já viveu, por que passar por isso novamente?"

Hathaway retrata Rebekah Neumann e disse que ela teve cuidado para não julgá-la.

"Estamos falando de seres humanos, e nos colocarmos numa posição de superioridade não faz sentido", disse ela. "Esta é uma oportunidade para compreender as pessoas".

Tanto Leto quanto Hathaway disseram que queriam que a história fosse justa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.