Lifetime
Lifetime

Álvaro Morte fala sobre segunda temporada da série 'O Píer'

Consagrado mundialmente com 'La Casa de Papel', ator espanhol revela os segredos de seu atual personagem, Óscar

Mariane Morisawa, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

08 de junho de 2020 | 05h00

Graças ao Professor, seu personagem em La Casa de Papel, Álvaro Morte ficou famoso mundialmente. Mas ele também está em outra série da mesma produtora, O Píer, cuja segunda e última temporada chegou ao Brasil pelo canal Lifetime. O papel não poderia ser mais diferente: Óscar é um homem que amou igualmente duas mulheres, Alejandra (Verónica Sanchez) e Verónica (Irene Arcos). Logo no primeiro episódio da primeira temporada, Óscar apareceu morto num aparente suicídio. A partir daí, em flashbacks, a série revela a vida dupla de Óscar, que também se envolveu em algumas atividades barra-pesada.

“Na primeira temporada, vimos a beleza do romance. Nesta segunda, vamos ver seu declínio e como precisa arcar com as consequências das decisões que tomou”, disse o ator espanhol em entrevista com a participação do Estado. “Essa foi uma oportunidade interessante porque era algo completamente diferente. O Professor é inepto emocionalmente. Óscar ama tremendamente duas mulheres completamente opostas. E era um desafio porque trair sua mulher é algo condenável. Queria ver se éramos capazes de gerar empatia por ele e fazer com que o entendessem.”

O Píer é um melodrama descarado, com elementos de suspense. Mas Morte acredita que tenha alguns elementos que lhe emprestam frescor. “Ficamos entusiasmados de fazer um melodrama, mas mostrando muito o ponto de vista das mulheres”, disse. “Elas são as verdadeiras protagonistas. Tomam decisões, não são apenas vítimas do que acontece a elas.” O ator acha que passou da hora de haver mais histórias sob a perspectiva feminina, protagonizadas por mulheres e escritas por elas. “Desde as tragédias gregas, as grandes histórias são majoritariamente sobre homens. Mas por sorte parecemos estar num momento de mudança. E tomara que continue porque há muito a fazer. Há muitos tipos de mulheres, de idades diferentes, que merecem ser protagonistas. Porque na vida não são só os garotos de 30 anos e as meninas de 25 que têm histórias.”

Ao mesmo tempo, O Píer pega um tema batido, o triângulo amoroso, e tenta discutir novas formas de amar, sem julgamentos. “Na nossa cultura, há essa coisa de que temos de amar uma pessoa somente. Se alguém amar mais de uma, será condenado ao inferno, julgado pela sociedade, e ninguém compreenderá. A série coloca em discussão se devemos abrir um pouco a cabeça. Porque, se somos capazes de dividir nosso amor entre nosso pai e nossa mãe igualmente, por que um amor romântico dividido é condenado?”, indagou. “Não estamos dizendo a ninguém como viver suas vidas, mas simplesmente colocar na mesa que talvez não devêssemos julgar nem condenar quem ama assim.”

O sucesso de La Casa de Papel abriu para Álvaro Morte as portas da televisão no mundo todo. Ele recentemente rodou The Head, um thriller falado majoritariamente em inglês que se passa na Antártida e que deve estrear no Brasil, e estará em The Wheel of Time, baseado na série de livros de fantasia A Roda do Tempo, de Robert Jordan, produzida pela Amazon. Mas não pretende abandonar La Casa de Papel tão cedo. “Estou agradecidíssimo de estar interpretando o Professor e espero que dure muito. Tomara que façamos mil temporadas de La Casa de Papel. Mas também quero fazer outras coisas.”

A filmagem de The Wheel of Time foi interrompida por causa da pandemia de covid-19. O confinamento para ele foi uma oportunidade de reencontrar a família, depois de meses filmando fora. A Espanha foi um dos países mais afetados, com mais de 27 mil mortos, e o governo decretou “lockdown” completo. “Por sorte, não tive familiares ou amigos próximos afetados. Mas não dá para ignorar o que está acontecendo, com tanta gente sofrendo”, disse. O ator mandou um recado para os brasileiros. “Desejo que tenham forças para enfrentar o confinamento.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.