HBO Max
 Luis Durán, gerente geral da HBO Max na América Latina.  HBO Max

A demanda por entretenimento é infinita, diz gerente-geral da HBO Max

A plataforma de streaming chega ao Brasil e a outros 38 países no dia 29 de junho

Mariane Morisawa, Especial para o Estadão

26 de maio de 2021 | 19h41


A América Latina é a primeira região do mundo a receber a HBO Max depois dos Estados Unidos. A plataforma de streaming chega no dia 29 de junho, com produções originais e locais, filmes que acabaram de sair do cinema, futebol e conteúdo para toda a família das marcas Warner Bros., HBO, Max Originals, DC e Cartoon Network, entre outras. Logo depois do evento oficial de lançamento, na manhã desta quarta-feira, 26, o Estadão conversou com Luis Durán, gerente geral da HBO Max na região:


 

Dá um pouco de nervoso chegar ao mercado com tantos serviços de streaming já estabelecidos?

Não. Nossa obsessão agora é estarmos prontos para o lançamento e termos uma proposta de valor muito significativa tanto no conteúdo que oferecemos quanto sermos uma plataforma que está funcionando sem problemas e proporciona uma grande experiência. Temos uma oferta que não diria ser superior, mas relevante e acessível para que as pessoas possam apreciá-la. A demanda por entretenimento é infinita. Todos querem ser entretidos. Acreditamos que há muito espaço para entrarmos e entretermos a América Latina.  E se tivermos que fazer isso ao lado de alguns de nossos concorrentes, tudo bem, é a vida. E nós adoramos isso. Como consumidor, adoro.


 

Por que é importante ter conteúdo local? 

Eu acho que os originais locais são uma oportunidade de trazer certos sabores para o serviço, mas também é uma grande chance de contar histórias locais de uma forma universal. E acho que o Johannes Larcher (presidente da HBO Max Internacional) mencionou no evento que até o final do ano estaremos em 60 mercados. Acho que cada produção que entregamos no Brasil, ou no México, será observada em todos os lugares do mundo. E essa é uma grande oportunidade para contar nossas histórias da América Latina em outros lugares. Morando em Dubai, dois anos atrás, fui trabalhar na Arábia Saudita por alguns dias e vi que todo o mundo lá estava assistindo La Casa de Papel, uma produção espanhola. Vivemos em um novo mundo em que nem tudo é Hollywood. Temos uma grande oportunidade de contar nossas histórias para o mundo. 


 

Tendo esse guarda-chuva maior, espera produzir uma gama mais ampla de tipos de séries e filmes, desde as coisas mais ousadas para a HBO até outras mais populares?

Sim, conforme procuramos complementar nosso catálogo e nos diferenciar ainda mais, há muitas oportunidades que estamos avaliando. Mas tudo o que fazemos tem que seguir os padrões da WarnerMedia. É obviamente diferente porque você está olhando para conteúdo relevante na América Latina. Mas a obsessão por qualidade e intensidade tem que estar lá, porque somos HBO Max, portanto tudo o que fazemos está conectado com nossa posição de marca. E nossa reputação é global. Globalmente, significamos qualidade, significamos intensidade e temos que ficar dentro desses padrões em qualquer caso.


 

O que espera com a exibição da Liga dos Campeões da UEFA?

Acho que a história da Liga dos Campeões é uma das vantagens competitivas de que eu estava falando anteriormente. A WarnerMedia é um grupo altamente diversificado com múltiplas formas de distribuição. Isso nos dá a oportunidade de fazer certas coisas de forma diferente. E eu acho que a Liga dos Campeões é um bom exemplo. A América Latina é futebol. Ter os direitos da Liga dos Campeões era uma oportunidade única. Acho que vai ser extremamente emocionante ver como os latino-americanos assistem à Liga dos Campeões na HBO Max. Se demos este primeiro passo, é porque acreditamos que há uma jornada aqui. 


 

A HBO GO sempre foi muito criticada por suas questões técnicas e de navegabilidade. Que passos tomaram para que a HBO Max não enfrente os mesmos problemas?

É um comentário justo. A HBO Max é uma plataforma inteiramente nova, em termos de interface de usuário, em termos de infraestrutura por trás, em termos de equipe, tamanho e talento das equipes. Há um grande avanço em relação à HBO GO. O consumidor deve esperar a melhor experiência. A plataforma é sólida, a infraestrutura é sólida. E, se ganharmos escala, faremos tudo em nossas mãos para garantir que tudo seja transmitido muito bem. O serviço foi lançado nos EUA há um ano. Foi uma jornada também. E há uma equipe enorme que está melhorando a plataforma diariamente. Quando lançarmos na América Latina, estou confiante de que vai cumprir a expectativa. E acho que só vai melhorar a partir daí.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

HBO Max chega ao Brasil em 29 de junho

Plataforma de streaming reúne as marcas HBO, Warner Brothers, DC e Cartoon Network

Mariane Morisawa, Especial para o Estadão

26 de maio de 2021 | 12h38

A HBO Max, serviço de streaming da WarnerMedia que reúne as marcas Cartoon Network, Warner Brothers, DC e HBO, vai ser lançada no Brasil em 29 de junho, com preços a partir de R$ 14,21. O anúncio foi feito na manhã desta quarta-feira, 26, em evento por videoconferência, com participação de executivos e de Kaley Cuoco, atriz de uma das maiores atrações na estreia, The Flight Attendant.

 

 

A plataforma vai ter produções originais feitas para HBO Max, como The Flight Attendant, Raised by Wolves, Genera+ion e Friends: The Reunion (veja lista abaixo). 

No catálogo, estão séries como Friends, The Big Bang Theory, Game of Thrones e Sex and the City e filmes como O Senhor dos Aneis, Matrix e Harry Potter

Filmes recentes como Tom e Jerry, Os Pequenos Vestígios, Mortal Kombat e Judas e o Messias Negro também vão estar disponíveis. Lançamentos futuros da Warner, como Em Um Bairro de Nova York, Esquadrão Suicida e Duna, entre outros, vão estrear apenas 35 dias depois de serem exibidos no cinema. 

A DC também está presente, com os filmes como Mulher Maravilha 1984 e A Liga da Justiça de Zack Snyder, e séries como Batwoman

A ideia é investir em produções latino-americanas também. “Vamos ter vozes locais”, disse Tomás Yankelevich, Chief Content Officer de General Entertainment da WarnerMedia Latin America. Serão cem produções originais nos próximos dois anos, das quais 33 estão em andamento. Por exemplo, a brasileira Os Ausentes, sobre uma agência que procura pessoas desaparecidas. Do México, vêm Bunker e Las Bravas. A Argentina contribui com Dias de Gallos e Bilardo

A plataforma também vai ter produções de outras partes do mundo, incluindo Espanha, Itália, Israel e Turquia. 

Os desenhos do Looney Tunes e das Meninas Superpoderosas, os programas da Vila Sésamo e clássicos do estúdio, como O Mágico de Oz e Cantando na Chuva, entre outros, vão estar na HBO Max. No total, são 15 mil horas de entretenimento. 

O serviço também vai ter futebol. A Champions League vai ser transmitida pela HBO Max. 

Assinantes da HBO na TV por assinatura não precisarão fazer pagamentos adicionais. Já os assinantes do app HBO GO migrarão automaticamente para o HBO Max.

 

 

Os destaques da HBO Max

 

  • Friends: The Reunion

A reunião dos atores que fizeram a série, encerrada em 2004, é um dos eventos televisivos mais esperados do ano. Jennifer Aniston, Courteney Cox, Lisa Kudrow, Matt Le Blanc, Matthew Perry e David Schwimmer recebem convidados especiais e relembram momentos especiais.

 

 

 

  • The Flight Attendant

Nesta divertida mistura de drama e comédia de humor negro, Kaley Cuoco (The Big Bang Theory) é uma comissária de bordo que tem a vida dos sonhos, com viagens a lugares exóticos e glamourosos. Mas na verdade Cassie está suprimindo seus problemas, que transbordam quando ela acorda ao lado do corpo ensanguentado de Alex Sokolov (Michiel Huisman), um passageiro com quem passou a noite. 

 

 

  • Raised by Wolves 

Série de ficção científica em que dois androides são encarregados de educar crianças em outro planeta, depois da destruição da Terra por uma grande guerra. Os dois primeiros episódios são dirigidos por Ridley Scott, que também é um dos produtores. 

 

 

  • Genera+ion

A série estrelada por Justice Smith (Jurassic Park: Reino Ameaçado) investiga a sexualidade em suas diversas formas no mundo de hoje, por meio de um grupo de adolescentes na Califórnia. É uma espécie de Euphoria, mas bem menos sombrio. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.