Zimbo Trio apresenta repertório de seu 49.º disco

Em 43 anos ininterruptos de carreira,os altos e baixos são naturais. Nessa montanha-russa contínua, oZimbo Trio encontra-se hoje confortavelmente no topo. Onde querque façam shows, o pianista Amilton Godoy, o baterista RubinhoBarsotti e o baixista Itamar Collaço conseguem casa lotada. Foio que se viu nos últimos tempos: no Teatro Municipal, em plenamaratona de Virada Cultural 2006; na temporada de apresentaçõesno Tom Jazz do ano passado (que foi estendida, tamanha procurado público); ou mesmo no Shopping Anália Franco, participando doprojeto Grandes Encontros, uma parceria com a Rádio Eldorado. O show no Anália Franco foi gravado ao vivo de umatacada só, sem repetições de músicas, e com participaçõesespeciais do público que, num coro afinado, cantou clássicoscomo Trem das Onze (Adoniran Barbosa), Mas Que Nada (SérgioMendes) e Chega de Saudade (Tom Jobim e Vinicius de Moraes). Oregistro virou o 49.º álbum, Zimbo ao Vivo, que acaba de serlançado pela gravadora Eldorado. Eles apresentam o novo trabalho nesta quinta-feira, 12, no Tom Jazz, fiéis ao repertório do CD. "Nãofaremos nada de diferente, vamos aproveitar todo esse material",garante Amilton Godoy. Amilton concorda que o grupo esteja passando por uma boafase. Atribui uma parcela da "culpa", no bom sentido, à entradade Collaço, que substituiu Luiz Chaves (um dos fundadores dogrupo, morto recentemente) e trouxe consigo o contrabaixoAcústico. "A gente brinca que o Itamar é parecido com o AlPacino, o que ajudou a abaixar a idade do nosso público",graceja o pianista. Ele acredita que a constante atualização nasonoridade do trio também tenha sua parcela de contribuição."Nós não paramos, estudamos, tocamos músicas de jovenscompositores." Segundo ele, o único compromisso que o trio tem firmado,desde o começo, é com a música brasileira. De resto, está livrepara experimentar diferentes ritmos e executar canções de novosou velhos autores, com aquele suingue classudo que já viroumarca do Zimbo. Dos clássicos, o novo CD revisita Domingo noParque (Gilberto Gil), Ponteio (Edu Lobo e Capinam),Incompatibilidade de Gênios (João Bosco e Aldir Blanc), entreoutras. No projeto, cabiam músicas inéditas. Entraram três delas todas de Amilton: Choro, Teste de Som e Notas Que Falam(coisa rara: esta última, em parceria com a letrista DulceAuriero). Para Amilton, não é que haja uma falta de bonsletristas. O fato é que, muitas vezes, colocar letras emdeterminadas músicas seria descabido.Clam Um parênteses na história: certa vez, Amilton disse queo trio começou a ganhar vida nova com as próprias músicas. Masnada foi de caso pensado, conta ele hoje. "Durante muito tempo,a gente era intérprete de músicas dos outros, não era idéianossa criar as próprias composições. Nossa proposta era tocarmúsica brasileira", conta. "No decorrer da nossa vida, começavama surgir algumas idéias na nossa cabeça. Aconteceu mais com oLuiz Chaves e depois comigo também." Voltando à compositora Dulce Auriero, ela é aluna doClam - o Centro Livre de Aprendizado Musical, dirigido pelo triohá anos, em São Paulo -, além de ser parceira do pianista emvários projetos. Dulce não deixa de ser também uma dasrepresentantes da nova geração da música que os veteranos doZimbo Trio tanto queriam trazer em seu novo trabalho. Com omesmo propósito, convidaram outros jovens músicos: obandolinista Danilo Brito e a flautista Débora de Aquino. Amilton Godoy conheceu Danilo quando o bandolinistavirtuoso venceu o Prêmio Visa, em 2004. O pianista fazia partedo júri e, desde aquela época, já pensava em carregar Danilopara algum projeto do Zimbo Trio. Conseguiu agora: no CD, Danilofaz participação especial em Lamentos (Pixinguinha e Viniciusde Moraes), Carolina (Chico Buarque) e Choro. Já Débora,além de cria do Clam, é professora e responsável peloDepartamento de Sopro da escola. No disco, é a flautista de NaGlória (Ary dos Santos e Raul de Barros), Teste de Som,Choro e Chega de Saudade. Mais conhecida, a cantora FabianaCozza, outra professora do Clam, comparece nos raros momentosnão-instrumentais: O Samba É Meu Dom (Wilson das Neves) eNotas Que Falam. Todos eles estão confirmados para o show deamanhã no Tom Jazz. No mesmo Tom Jazz, o Zimbo Trio volta com temporada deshows, toda última quinta-feira do mês. Além disso, foiconvidado a se apresentar novamente no Municipal, dentro daVirada Cultural 2007, e deverá ser, mais uma vez, um dosprincipais destaques do evento. Zimbo Trio. Tom Jazz (200 lugares). Avenida Angélica, 2.331,11-3255-3635. Quinta, 12, 22h. R$ 40

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.