Zélia Duncan mescla estilos no Bourbon Street

A cantora Zélia Duncan define como "coisa de doido" os dois shows que fará, hoje e amanhã, no Bourbon Street. Zélia promete mostrar repertório "completamente descabelado": folk, blues, grooves de funk, chá-chá-chá, Cole Porter, Rita Lee, Itamar Assumpção, Joni Mitchell, Elvis Costello. "Bem que tento partir de algo mais linear, mas quando vejo já baguncei tudo", diz a cantora, que está se recuperando de uma crise de estafa. Por conta disso, os shows que seriam realizados na semana passada tiveram de ser adiados. Zélia é a terceira atração do projeto Credicard Vozes, que estreou com Daniela Mercury em outubro e teve Fernanda Abreu em novembro. A proposta é tirar as intérpretes de seu nicho e aproximá-las do estilo do Bourbon, mais voltado para o jazz e o blues. "É desafiador e prazeroso, mas ao mesmo tempo faz parte do meu universo também", aponta a cantora. A princípio mais identificada com o folk-rock, Zélia tem experimentado de tudo. Em seu disco mais recente, o ótimo Eu me Transformo em Outras, radicalizou, mergulhando na nata do samba. Essa inquietação, mais acentuada nos últimos anos, ela acha que tem a ver com a maturidade, com a segurança adquirida como intérprete. Alguns arranjos foram baseados nos originais, outros mudarão completamente. "Na introdução de I Love Paris (Porter), por exemplo, vai rolar uma guitarra chorada de Walter Villaça." Além dele, Zélia será acompanhada por seu antigo parceiro Christiaan Oyens (bateria, violão havaiano e vocal), Ézio Filho (baixo), Rodrigo Garcia (violão e cajón) e Pedro Augusto (teclado). Zélia Duncan - Bourbon Street Music Club. Rua dos Chanés, 127, Moema, 5095-6100. Hoje e amanhã, às 22 horas. R$ 75

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.