Zeca Pagodinho é o grande vencedor do Prêmio TIM

O sambista Zeca Pagodinho foi o grande vencedor do Prêmio TIM deMúsica, entregue ontem à noite no Theatro Municipal do Rio de Janeiro. Àvontade no smoking pedido no convite, ele foi ao palco duas vezes parareceber seus prêmios (pelo disco Deixa a Vida Me Levar e como melhorcantor de samba), mas deixou seus compadres Serginho Meriti e Eri doCais receberem o troféu pela música-título do CD campeão. O clima de generosidade atravessou as duas horas e meia da festa, dirigida pelo empresário José Maurício Machiline, que havia criado a premiação nos anos 80, como Prêmio Sharp, nome da fábrica de equipamentos eletrônicos que presidia.Não houve grandes surpresas nas escolhas do júri que ouviu cerca de700 discos lançados no ano passado e, por isso, mesmo, cada um dos 34vencedores anunciados foi aplaudido com entusiasmo. Nana Caymmi foi amelhor cantora; Milton Nascimento melhor cantor e melhor disco de MPB;Dominguinhos melhor disco e melhor cantor regional e Cássia Ellermelhor cantora de rock e melhor também no juri popular. Lucinha Araújo,mãe de Cazuza, foi receber os dois troféus. "Afinal, eu sou a mãe doRock Brasil", explicava ela depois da festa. O portelense Jair do Cavacofoi receber o troféu dos tribalistas (melhor grupo de MPB) no lugar daamiga Marisa Monte. Pena que os premiados mal podiam posar para fotoscom seus troféus, muito menos agradecer, mas o espetáculo funcionougraças à música de Ary Barroso (arranjada por Wagner Tiso).Não faltaram pequenas gafes e quiproquós não ensaiados que deram ocolorido da festa. A maior gafe acontecteu antes de o Theatro abrir.Dona Ivone Lara, que viera cedo porque mora longe e teve medo de chegartarde, já com a porta fechada, foi barrada pela segurança do evento. "Não sei quem é ela. Se chegou cedo demais, tem que esperar", avisavaum segurança. O problema só foi contornado quando a diretoria da TIM foi avisada do incidente e convidou Dona Ivone foi convidada a entrar e sentar-se no balcão nobre, junto a músicos que não estavam concorrendo. A platéia era para os indicados e atores globais, que vão aparecer no programa a ser exibido no domingo que vem, depois do Fantástico, pela Rede Globo.Mesmo calados, alguns premiados marcaram presença. Hermeto Pascoal,que recebeu dois prêmios (melhor arranjador e melhor grupopelo discoMundo Verde Esperança ) deu cambalhotas ao subir pela segunda vez nopalco. Alcione (melhor cantora de samba) não apareceu para receber seuprêmio, mas entrou apressada no palco na indicação seguinte. "Estava notoalete, gente, mas agradeço mesmo assim", justificou-se.Bom mesmo foi ouvir as músicas de Ary Barroso cantadas por duplasinusitadas. A emoção começou com Paulinho da Viola e Ney Matogrossocantando Pra Machucar meu Coração, cresceu quando Elza Soares repetiu a cena do início de sua carreira, no programa de calouros de Ary Barroso e cantou Grand Monde do Criouléu, João Bosco veio com Rio de Janeiro (Isso é o meu Brasil) e Mart?Nália com Alcione arrasaram com É luxo só. E Zélia Duncan fechou com Na Batucada da Vida, não por acaso, a música preferida do arranjador da noite, Wagner Tiso, que reservara Aquarela do Brasil para si e para o violonista Yamandú Costa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.