Divulgação
Divulgação

Zeca Pagodinho e Marcelo D2 fazem mistura inusitada em show em São Paulo

Apresentação ‘Samba Maioral’ promove miscelânea sonora entre o hip-hop e o samba

João Paulo Carvalho, O Estado de S.Paulo

08 Julho 2016 | 21h25

Samba e hip-hop podem resultar em uma boa mistura. Pelo menos é o que prometem Zeca Pagodinho e Marcelo D2. A dupla sobe ao palco para apresentar o show Samba Maioral neste sábado, 9, no Espaço das Américas, em São Paulo. O projeto é realizado há três anos, mas, desta vez, pode trazer algumas surpresas para o público. “Eu e o Zeca odiamos ensaiar. A gente já fez várias apresentações juntos. O improviso acontece na hora. É tudo resolvido de imediato, não tem enrolação. Como numa roda de samba, dali pode sair qualquer coisa”, diz Marcelo D2 em entrevista ao Estado, por telefone.

A apresentação é dividida em três partes. Zeca Pagodinho abre o espetáculo com seu show Ser Humano, que tem, além dos sucessos Amor pela Metade, A Monalisa e Foi Embora, alguns dos principais clássicos de sua carreira como Judia de Mim, Verdade, Maneiras e Vai Vadiar. “É legal essa divisão. Isso mostra a força dos nossos trabalhos individuais. No entanto, tenho a impressão de que tudo vai virar um bom partido alto e acabará em samba”, brinca Zeca.

Marcelo D2, por sua vez, mostra sua força com o show baseado em seu novo DVD, Nada Pode Me Parar. No repertório, vários sucessos do Planet Hemp, entre eles, Está Chegando a Hora, Eu Já Sabia, 1967 e Eu Tive Um Sonho.

O momento mais aguardado, entretanto, fica por conta da união de Zeca e D2, que cantam juntos alguns hits de ambas as carreiras. “O Zeca é um grande ídolo e amigo. Uma referência gigantesca para mim. Atrelado a isso tem o samba, fundamental para a minha formação. Quando iniciei a carreira solo, fui buscar minha inspiração justamente neste gênero”, lembra D2. “Somos amigos e parceiros na vida. Tocamos juntos há 10 anos. Tudo flui mais fácil”, conclui Zeca.

Novo disco do Planet. Em junho deste ano, Marcelo D2 postou uma foto polêmica em sua conta no Instagram. Na legenda: “3 dias de gravação (temos uma demo do Planet Hemp). Já disse e repito: de volta a 1993”. Pronto, começou o alarde. Diversos veículos de comunicação divulgaram que a banda estaria gravando um novo disco com previsão de lançamento para março de 2017. Nada disso. Nada disso, garante D2: “Falaram por aí que a gente tinha voltado para o estúdio para gravar um novo trabalho. Não tem nada a ver. Aquela foto é porque eu estou refazendo a demo do Planet Hemp de 1993 para o filme Anjos da Lapa (cinebiografia sobre D2, estrelada por Thiago Martins), que os caras estão fazendo, com os atores cantando. Só isso. Impressionante como criam interpretações para tudo. Não há nada concreto. Deve rolar algo, mas os fãs ficarão sabendo”, esclarece.

Em junho, durante o festival João Rock, realizado em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, Black Alien, Marcelo D2 e BNegão protagonizaram um momento épico para quem marcou presença no evento. Os três voltaram a cantar juntos depois de 15 anos.

SAMBA MAIORAL 

Espaço das Américas. R. Tagipuru, 795, tel. 3864-5566. Sáb. (9), às 23h30. R$ 50 / R$ 350

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.