Zeca Baleiro finaliza novo CD e dá canja no Municipal de SP

O compositor e cantor maranhense ZecaBaleiro, cujo álbum de estréia completou uma década no anopassado, prepara uma nova fornada de músicas inéditas, em umdisco que promete ser "leve, divertido e quase cínico". O novo CD ainda não tem nome, mas deve ser lançado entreabril e maio pela gravadora MZA. Ao mesmo tempo em que finaliza o novo trabalho, o músico de41 anos toca outros diversos projetos. Ele dará uma canja noTeatro Municipal de São Paulo, neste sábado, e estápré-produzindo um álbum infantil, ilustrado por Laerte e comconvidados já confirmados como Frejat e Pato Fu. Sobre seu sétimo CD solo, Zeca Baleiro afirmou que estágravando em seu estúdio em São Paulo as bases das canções eterá de escolher cerca de 13 entre as 30 que já tem. "Quero um disco que possam ouvir sem muitas indagações",disse Zeca Baleiro à Reuters, em uma entrevista por email. "Oúltimo CD, 'Baladas do Asfalto', era mais denso, tinha maisdiscurso. Com este (novo) quero que dancem." "Baladas do Asfalto & Outros Blues" foi lançado em 2005 eganhou uma versão ao vivo no ano seguinte. Entre as músicas queforam parar nas rádios, estão a faixa-título, "Muzak" e "MeuAmor Minha Flor Minha Menina", com arranjos elaborados e letrascaprichadas que viram a marca de Zeca Baleiro. No sábado, no Teatro Municipal, o cantor apresentará pelaprimeira vez ao vivo os versos de Hilda Hilst que ele musicoupara o disco "Ode Descontínua e Remota para Flauta e Oboé -- deAriana para Dionísio" (2005), interpretado por dez cantoras,como Ângela Ro Ro, Maria Bethânia, Olívia Byington e ZéliaDuncan. O músico fará uma participação especial com o quarteto decâmara do teatro, chamado Quarteto Algiz, que tem trabalhado ascanções com a cantora Márcia Degani. "Eu vou cantar a 'Canção VI', que no disco é cantada pelaNá Ozzetti. E darei uma canja em outras também", disse. ERÓTICAS Entre shows pelo país que continua fazendo, Zeca Baleiroengata trabalhos simultâneos, como o lançamento das trilhassonoras para os balés "Cubo", do grupo paulistano Lúdica Dança,e "Geraldas e Avencas", do grupo mineiro 1o Ato. Além do álbum infantil, projeto que ele pretende retomareste ano após interromper por falta de tempo, Zeca Baleiro temuma vontade antiga de fazer um CD de músicas eróticas. "Mas este requer mais tempo e mais pesquisa, pois grandeparte dos seus textos serão literários, obras que abarcam desdeGregório de Matos até Glauco Mattoso", explicou Zeca Baleiro. Seu primeiro álbum, "Por Onde Andará Stephen Fry?",completou dez anos em 2007 e foi seguido por outros dois, todosdiscos de ouro -- "Vô Imbolá" (1999) e "Líricas" (2000). Em2003, fez um CD em parceria com Fagner, outro hit de vendas. "Gosto de ver como as coisas se encaminharam até hoje",disse o músico. "A forma sincera como os discos foram gerados,a consolidação de um público fiel e cativo. E sobretudo mealegra saber que as apostas que fiz na intuição, e não no'mercado', vingaram." Zeca Baleiro, que nasceu em São Luis mas cresceu em Arari,disse que achava, no começo da carreira pelos barzinhos de SãoPaulo, que seria apenas um "artista cult, de público pequeno". "Foi uma surpresa ver o meu primeiro disco se tornarpopular e ouvir as canções na boca do povo", disse. "Depois detantos discos, vivo um momento mais relaxado, com o fogocriativo bem aceso. De certo modo, agora estou começando a medivertir de verdade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.