Zé Keti ganha biografia e exposição no Rio

Será lançado amanhã no Teatro Carlos Gomes , no Rio, o livro Zé Keti - O samba sem senhor, do escritor e compositor Nei Lopes. A grande atração do lançamento é uma exposição inédita com cerca de 40 fotos de Zé Keti junto a personalidades da música e da história carioca. A exposição, de caráter itinerante, é resultado de 6 anos de pesquisa de Renata Cholbi, que acompanhou os últimos anos do sambista documentando em foto, textos e vídeo à sua obra. Como parte da mostra, será apresentado um vídeo de 15 minutos com imagens inéditas da intimidade de Zé Keti: seus amigos, família , inclusive o making-off da gravação de seu último CD, da série Grandes Sambistas da gravadora Rio Arte digital.Nascido José Flores de Jesus, o compositor Zé Keti - ou Zé Ketti, como ele gostava de assinar às vezes - ganhou uma biografia na coleção Perfis do Rio, uma parceria entre a editora Relume-Dumará e a prefeitura da cidade. O autor de Máscara Negra, Opinião e Voz do Morro é apresentado no livro em suas várias facetas: desde suas origens na escola de samba Portela, seu relacionamento com a turma da Bossa Nova até sua ligação com os intelectuais do Cinema Novo e da esquerda nacional, inclusive a participação no famoso Show Opinião, ao lado de Nara Leão e João do Vale. Ele lançou nomes como Paulinho da Viola e Elton Medeiros, seu grande parceiro.A exposição Diz que fui por aí... Imagens e Sons de Zé Keti, que será apresentada ao público no lançamento é só uma parte da extensa ligação de Zé Keti com a cultura carioca, como comenta a curadora Renata Cholbi. E um recorte de tempo: fotos da década de 70 enfocando o bar Zicartola, idealizado por ele, e o Show Opinião, além de cenas onde o compositor aparece ao lado de personalidades importantes no cenário cultural como Maria Bethânia, Nara Leão, Nelson Cavaquinho. A consultoria ficou a cargo de Sérgio Cabral, o primeiro grande amigo que Zé Keti fez no mundo do samba.Renata Cholbi foi reunindo esse material e registrando os passos do compositor. Ela faz parte do Centro de Referência Carioca do Samba, que há um ano divulga e ajuda a preservar o samba carioca. "Eu o conheci melhor e comecei a perceber a necessidade de preservar a memória de um homem tão importante para a cultura nacional", diz Renata. "Ele me deu de presente a convivência com Paulinho da Viola, Sérgio Cabral e muita gente boa", ela ressalta. Renata reuniu em um vídeo de 15 minutos imagens gravadas por ela do sambista junto a amigos, como o compositor Guilherme de Brito, cenas familiares e cenas históricas, como o making-off da última gravação de CD que Zé Keti participou em 96, 3 anos antes de sua morte. Há muito ela e o cineasta Nelson Pereira dos Santos acalentam o sonho de produzir um documentário sobre o compositor, mas não encontraram patrocínio. Ela mantém um projeto ainda maior, uma grande exposição em homenagem aos 80 anos de Zé Keti, em setembro de 2001. Material não falta, Renata é a guardiã de todos os documentos e fotos dele, cedidos pela família. A exposição Diz que fui por aí... ficará no Teatro Carlos Gomes até 08 de outubro, depois vai percorrer os centos culturais e escolas no Rio. Renata pretende levá-la para São Paulo ainda esse ano, mas falta apoio para tocar adiante todos esses projetos. Neste mesmo dia, serão lançados mais duas obras sobre a história carioca: Saara, de Susane Worcman e Praça Tiradentes - Não te esqueças de mim, de Roberta Oliveira.Lançamento do livro Zé Keti - O samba sem senhor e exposição Diz que fui por aí....Imagens e sons de Zé Keti: 13 de setembro às 18h30 - Teatro Carlos Gomes, Praça Tiradentes s/nº

Agencia Estado,

12 de setembro de 2000 | 23h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.