DANIEL TEIXEIRA|ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA|ESTADÃO

Wilson das Neves comemora seus 80 anos no palco

Renomado baterista, que também faz parte da banda de Chico Buarque, celebra aniversário com shows em SP

Adriana Del Ré, O Estado de S. Paulo

10 Junho 2016 | 05h00

Há 62 anos manejando suas baquetas com maestria, o baterista carioca Wilson das Neves completa 80 anos de vida no próximo dia 14, mas já comemora a data por antecipação no palco do teatro do Sesc Vila Mariana, em São Paulo, desta sexta-feira, 10, a domingo, 12. O momento festivo conta também com ilustres convidados. Nesta sexta, seu show terá participações especiais de Elza Soares e Luiz Melodia. No sábado, será a vez do parceiro de música Paulo César Pinheiro e da cantora e pianista Maíra Freitas e, no domingo, o rapper Emicida e o músico Cláudio Jorge marcam presença na apresentação. Como diria o próprio Das Neves, ‘Ô sorte’!. Esse bordão, aliás, é digno de nota: usado pelo baterista com frequência em suas falas, sempre em tom de alegria e exaltação, ele já virou sua marca registrada nos bastidores da MPB.

Nos três dias de shows, será vendido no Sesc o livro Ô Sorte! Memórias de Um Imperador, uma breve biografia de Wilson das Neves, de autoria de Guilherme Almeida, lançado pela editora Multifoco. Para o palco, Das Neves diz que vai levar o repertório de seus quatro discos, nos quais também é intérprete – O Som Sagrado de Wilson das Neves (1996), Brasão de Orfeu (2004), Pra Gente Fazer Mais Um Samba (2010) e Se Me Chamar, Ô Sorte (2013) –, além de sete canções inéditas. Compositor compulsivo, ele já tem centenas de canções em seu baú. “Só com o Paulo César Pinheiro, são quase 80 músicas”, revela o músico, em entrevista ao Estado, por telefone, ainda do Rio – ele chegou a São Paulo nesta quinta, 9. “Faço melodia. Não sou poeta. Se não tivesse parceiros, não teria letra. Eles são importantes.”

No show, há também os já mencionados encontros. Nesta sexta, o momento com Luiz Melodia terá Mestre Marçal. Já com a ‘comadre’ Elza Soares, que é madrinha de um de seus filhos, a música ainda será definida. “Ela é quem vai dizer o que vamos cantar, deixo ela escolher. Elza é a maior sambista do mundo”, elogia o baterista. Os dois gravaram juntos o referencial LP Elza Soares – Baterista: Wilson das Neves, de 1968.

Paulo César Pinheiro estará com o amigo no sábado. Juntos, farão duas parcerias deles: Som Sagrado – que, segundo Beth Carvalho já definiu, fala tudo aquilo que todo sambista sente – e Partido do Tempo (“essa é a primeira que fizemos juntos", lembra Das Neves). No mesmo dia, a cantora e pianista Maíra Freitas, filha de Martinho da Vila, participa de Estava Faltando Você. No domingo, ele receberá outros dois convidados: Emicida, para cantar Se Me Chamar, Ô Sorte, de seu mais recente álbum – os dois já fizeram shows juntos e Das Neves fez participação especial na música Trepadeira, no disco do rapper, O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui – e Cláudio Jorge, com o qual fará Traz Um Presente Pra Mim, parcerias dos dois.

"Falaram para eu convidar meus parceiros e  chamei os mais chegados.” Segundo o músico, se o Chico Buarque estivesse no Brasil, também participaria, mas ele está na França, para comemorar o aniversário, no dia 19. “Ele está compondo.” E previsão de Chico voltar a fazer disco e shows? “Quando ele quiser”, responde Das Neves. Os shows em São Paulo serão registrados e devem render CD e DVD ao vivo, ainda sem previsão de lançamento.

Wilson das Neves, por vezes, é descrito pela alcunha de ‘baterista de Chico Buarque’, por fazer parte da banda do compositor há mais de 30 anos. Um dado reducionista para a nobre biografia do baterista. Das Neves é, sim, baterista de Chico, a quem costuma chamar carinhosamente de “chefia”, mas sua carreira é muito mais ampla. E autônoma. Ele já gravou com mais de 750 artistas e acompanhou mais de 100, incluindo Ney Matogrosso, Elizeth Cardoso, Elza Soares e até Sean Lennon, filho de John Lennon.

Criado no bairro de São Cristóvão, Das Neves cresceu ouvindo a trilha sonora das festas na casa da tia e também o tambor tocando no candomblé. Mas o músico só conseguiu bancar seus estudos de bateria aos 18 anos, quando passou a servir no Exército e ganhar o próprio dinheiro. Tempos depois de dar baixa no quartel, já estava trabalhando no ofício. Já o exercício de seu lado de compositor e cantor veio mais tarde. Só em 1973, começou a compor. E, em 1996, após anos tocando para outros artistas, recebeu convite para gravar suas composições. Lançou, então, o primeiro álbum solo, O Som Sagrado de Wilson das Neves. Vieram depois outros três discos. Ao falar de seus 80 anos, Das Neves diz que ainda tem muita coisa para aprender. “Continuo estudando e aprendendo.”

Biografia sobre o músico está sendo lançada

Dois projetos relacionados a Wilson das Neves – e que já existem há anos – estão se concretizando justamente na mesma época em que o baterista faz 80 anos de idade. E nem foram pensados de propósito para a data. Pura coincidência. Está sendo lançado o livro Ô Sorte! Memórias de um Imperador (Editora Multifoco, 114 págs; R$ 40), de Guilherme Almeida, descrito como uma breve biografia de Wilson das Neves. O título vai ser vendido durante os três dias de shows do músico no Sesc Vila Mariana, em São Paulo, mas o lançamento oficial será realizado no Rio, no dia 16 de junho, a partir das 19h, no Multifoco Bistrô, com direito a pocket show de Clarice Magalhães e convidados. Há ainda um documentário, que, segundo o próprio Das Neves, depois de muitos anos, conseguiu patrocínio e está sendo editado.

Documentário e livro recuperam vida e obra do músico. A biografia foi ideia de Guilherme Almeida, fã do baterista. Mas não chega a ser uma biografia não autorizada, pois teve a ajuda do biografado. Das Neves concedeu mais de 15 horas de entrevista para o autor e lhe deu o contato de outros entrevistados. Almeida colheu depoimentos de nomes como Chico Buarque, Paulo César Pinheiro, Stéphane San Juan, Elza Soares, entre outros. O posfácio é do compositor e músico Cláudio Jorge.

WILSON DAS NEVES

Teatro do Sesc Vila Mariana. Rua Pelotas, 141, 5080-3000. Sexta-feira (10) e sábado (11), às 21h; dom. (12), às 18h. R$ 50.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.