Viúva registra o nome do tenor Luciano Pavarotti como marca

Segundo jornal 'La Stampa', nome do músico só poderá ser utilizado com permissão de Nicoletta Mantovani

Efe,

13 de março de 2008 | 11h50

A viúva de Luciano Pavarotti, Nicoletta Mantovani, registrou como marca o nome do tenor italiano um mês antes que ele morresse, revelou nesta quinta-feira, 13, o jornal La Stampa.   O diário explica que a marca "Luciano Pavarotti" se encontra registrada sob o número 006176515 no Escritório de Harmonização do Mercado Interno (Marcas, Desenhos e Modelos) da União Européia (UE) desde 7 de agosto.   Desta maneira, segundo as leis européias, fica vedada, sob quaisquer motivos, a utilização do nome do tenor, que faleceu em 6 de setembro de 2007, aos 71 anos. A marca só poderá ser usada com a permissão da viúva, que tem todos os direitos sobre ela.   Este detalhe se une ao inventário dos bens de Pavarotti redigido há alguns dias, para que seja feita a repartição de sua herança. No documento estão todos os imóveis que Pavarotti possuía na Itália e no exterior, assim como as participações financeiras e os direitos autorais sobre sua obra, além de 18 trajes que usava em suas apresentações.   Todos os bens listados do tenor serão estudados, avaliados e repartidos da maneira como o artista ordenou em seus dois testamentos.   No testamento principal, de 13 de junho de 2007, Pavarotti deixou 50% de sua herança dividida em partes iguais entre seus quatro filhos (três do primeiro casamento e a última, Alice, que teve com sua segunda mulher, Nicoletta Mantovani), e os outros 50% para sua viúva.   Além disso, foi redigido um segundo testamento, que completava o primeiro, em 29 de julho, que previa a criação de uma empresa com suas posses e lucros nos Estados Unidos que seria administrada por Nicoletta.

Tudo o que sabemos sobre:
Luciano Pavarotti

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.