Vitor Ramil quer invadir o Mercosul

Com Ramilonga (Satolep Music), lançado em 1997, o gaúcho Vitor Ramil foi em busca de suas raízes ancestrais. Encontrou-as no som da milonga, gênero tradicional de harmonia simples, muitas vezes gélido, que estava na matriz de sua carreira de compositor. Agora ele volta com Tambong (Satolep Music), disco lançado em versão bilingüe, português e espanhol, nos mercados brasileiro, argentino, uruguaio e paraguaio. Um trabalho em que Ramil aprofunda a estética do frio, termo que cunhou e utiliza para designar a música que faz. O significado do título: fragmentos sonoros das palavras tango, samba, bossa, candomblé e milonga. O disco foi gravado em Buenos Aires, produzido pelo músico argentino Pedro Aznar. "Gravar na Argentina é um fato político. Penso o Rio Grande do Sul como centro, não do Brasil, mas de uma outra história, que não essa a que estamos habituados", explica o cantor, compositor e escritor que nos anos 80 mudou-se para o Rio de Janeiro em busca de espaço para desenvolver a sua arte. Algo que só veio a conseguir quando voltou para Pelotas, pôs as idéias no lugar, e fundou seu selo, o Satolep Music. "Achar o meu som, aquele que fala de mim, sempre foi a minha obsessão. E ainda estou atrás dele". O acalento, no entanto, é a consciência de estar no caminho certo.Parcerias - Com Lenine, Ramil divide os vocais em Um Dia Você Vai Servir Alguém, versão de Gotta Serve Somebody, de Bob Dylan. Chico César e João Barone, baterista dos Paralamas do Sucesso, participam de A Ilusão da Casa. Em Foi no Mês que Vem, Egberto Gismonti mostra o quão peculiar é seu estilo de tocar um instrumento, seja ele violão, piano ou atabaque. "Gismonti foi meu grande impacto musical", conta Ramil. "Me influenciou demais, o que não é óbvio ao ouvir minha música. No entanto, se você analisar certos movimentos de minhas harmonias, perceberá que devo muito a ele".Além da versão para Gotta Serve Somebody, Ramil interpreta Só Você Manda em Você, versão de You´re a Big Girl Now, também de Dylan. Do poeta paranaense Paulo Leminski, Ramil musicou O Velho Leon e Natália em Coyoacán. Do poeta da geração beat norte-americana, Allen Ginsberg, musicou Para Lindsay. Ele comenta: "Sempre tive fascínio por figuras como Rimbaud, marginais. Sempre reconheci que a arte de qualidade vai ser para poucas pessoas. Isso é algo que cresceu comigo, herdei de meu avô, que era marceneiro, fazia móveis maravilhosos para toda a alta sociedade de minha cidade, e sempre foi pobre", explica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.