Virada Cultural: shows e nostalgia em SP e no interior

De A a Z, ou melhor: de Alceu Valença a Zélia Duncan. A 3.ª Virada Cultural de São Paulo terá um pouco de tudo e muito de nostalgia, como se vê na programação anunciada nesta terça-feira, 10, pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM). Há cerca de 350 atrações já confirmadas em 65 pontos da cidade, que vão ocorrer ininterruptamente nos dias 5 e 6 de maio. A festa será aberta com Alceu Valença, na Praça da Sé, às 18 horas de sábado, e termina com Zélia Duncan, no mesmo horário do dia seguinte, no Boulevard da Avenida São João e no Vale do Anhangabaú. Espera-se um público de 1,5 milhão de pessoas, para assistir a shows gratuitos de rap, reggae, samba, música instrumental e eletrônica, sem contar os espetáculos de teatro e dança. ?Será um evento democrático, para todos os gostos?, afirmou o secretário municipal de Cultura, Carlos Augusto Calil. Segundo ele, a coincidência de datas com o Skol Beats - festival de música eletrônica que ocorre nos dias 4 e 5 no Parque do Anhembi, zona norte - não vai atrapalhar. ?É um evento complementar, de uma tribo específica. E é pago.? Uma novidade neste ano é que vários artistas vão reproduzir, nos shows, algum disco antigo, dando tom saudosista à Virada. Alceu Valença, por exemplo, vai cantar as faixas do LP Espelho Cristalino, de 1977. A banda Nação Zumbi vai reviver Da Lama ao Caos, de 1993, quando o líder ainda era Chico Science. E o Zimbo Trio reinterpreta, com Fabiana Cozza, O Fino do Fino, de 1965, à época com Elis Regina no vocal. A idéia veio do diretor da programação, José Mauro Gnaspini. ?São discos que ouço sempre. Os músicos toparam porque nem sempre podem relembrar esses álbuns, verdadeiros ícones.?Como nas duas edições anteriores, a maioria das atrações ocorrerá no centro. Em relação a 2006, a única grande mudança de local foi a saída do Parque do Ipiranga, por causa das reclamações de moradores com o barulho durante a madrugada. Serão instalados quatro palcos ?cardeais?, cada um em uma zona da cidade: Parque da Juventude (norte), Pedreira (sul), Guaianases (leste) e City Jaraguá (oeste). A descentralização é reforçada com alguns espetáculos em 21 Centros Educacionais Unificados (CEUs). E unidades do Sesc também abrigarão shows.NúmerosO prefeito não soube informar o efetivo policial para a Virada, mas garantiu que não haverá problemas de segurança. Em 2006, a festa quase foi cancelada, por causa dos ataques do Primeiro Comando da Capital (PCC).Até o fim de semana da Virada, o número de atrações deverá se aproximar das cerca de 500 do ano passado, mas a vinda de artistas de mais renome fez o custo da festa aumentar, de R$ 3 milhões para cerca de R$ 3,5 milhões. Só de cachê são cerca de R$ 2 milhões. O presidente da SPTuris, Caio Luiz de Carvalho, espera que pelo menos 150 mil turistas venham curtir a festa, mesmo número de 2005.Virada Cultural chega a dez cidades do interiorA Virada Cultural não será mais exclusividade paulistana. Depois do sucesso na capital, o evento com 24 horas de shows e espetáculos chega ao interior e litoral de São Paulo no fim de semana de 19 e 20 de maio. Dez cidades espalhadas em diversas regiões do Estado serão palco de um total de 250 atrações, das 18 horas de sábado até as 18 horas de domingo. A maioria é de bandas e grupos de teatro regionais, mas fazem parte da programação artistas consagrados. Ainda não há dia e horário definidos.A idéia de estender a Virada a outras cidades veio do governador José Serra (PSDB), que a lançou na capital em 2005. A Secretaria de Estado da Cultura deve gastar cerca de R$ 2,5 milhões, principalmente com cachês. Às prefeituras caberá a organização dos palcos e a segurança dos shows. O secretário de Cultura, João Sayad, assina amanhã o protocolo de intenções com as prefeituras envolvidas na Virada.O organizador do evento, André Sturm, estima que entre 400 mil e 500 mil pessoas deverão assistir às apresentações nos dez municípios. ?Sempre há cidades que têm uma mobilização maior, mas esperamos um êxito semelhante ao de São Paulo.? A intenção é ampliar a Virada para 20 cidades em 2008.Confira as atrações do interiorAraçatuba Leci Brandão e Ultraje a Rigor Araraquara Rappin? Hood e Banda de Pífanos de Caruaru Bauru Clube do Balanço e Plebe Rude Campinas Cordel do Fogo Encantado e Tom Zé Presidente Prudente Geraldo Azevedo e Chico César Ribeirão Preto Ira! e Coro Sinfônico do Estado Santos Beth Carvalho e Tribo de Jah São José do Rio Preto AfroReggae e Renato Teixeira São José dos Campos Orquestra Sinfônica do Estado e Nação Zumbi Sorocaba Jair Rodrigues e Dominguinhos

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.