Filipe Araujo/AE
Filipe Araujo/AE

Violonista brasileiro arrecada dinheiro para estudar na Royal Academy

Marcus Toscano conseguiu os R$ 60 mil necessários para ter aulas na prestigiada escola de Londres; ao todo, 388 pessoas ajudaram

João Luiz Sampaio, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2012 | 20h02

Para estudantes de violão, a Royal Academy de Londres é uma escola mítica. Foi lá, por exemplo, que deu aulas Julian Bream - e é lá que atuam professores Michael Lewin e Fábio Zanon. Por conta disso, o sorocabano Marcus Toscano, de 26 anos, mal conseguiu acreditar quando, em janeiro, recebeu uma carta dizendo que havia sido aprovado entre 70 concorrentes de 40 países para uma das vagas do curso do violão. À surpresa, no entanto, seguiu-se um problema prático. “Como eu vou arrumar os R$ 60 mil necessários para bancar o curso e a estadia em Londres em seu primeiro ano?”, contou ao Estado em uma entrevista do começo de junho.

Toscano optou por recorrer à prática do crowdfunding, espécie de financiamento colaborativo pela internet, que tem sido utilizado, em especial no mundo pop, para gravações de álbuns e realizações de turnês. Apoiado pelo violonista e apresentador do CQC, Rafael Cortez, jogou na rede um vídeo no qual apresentava seu trabalho e pedia ajuda. Deu certo. Nesta quinta-feira, 09, pela manhã, depois de 46 dias de campanha (o prazo limite era de 60 dias), atingiu o valor de R$ 60.458 (até a tarde desta quinta, as colaborações continuavam a chegar). “Estudar, estudar, estudar”, diz ele agora, sobre os planos daqui em diante.

Toscano vai a Londres ajudado por 388 “benfeitores”, que doaram de R$ 10 a R$ 5 mil. Conta que, ainda em agosto, fará recital em Sorocaba, parte do retorno prometido àqueles que o auxiliaram. Precisa também correr com o visto e detalhes técnicos antes de partir para a Inglaterra, onde começa o curso no dia 4 de setembro. “Agora, o importante é ter a cabeça fresca”, diz.

Toscano conheceu o professor Lewin no ano passado, durante o Festival de Inverno de Campos do Jordão. Foi no contato com ele que surgiu a “ideia fixa” de tentar uma vaga na Royal Academy. Preparou-se para a prova em São Paulo, com Fábio Zanon, e juntou o dinheiro recebido com apresentações ao longo do segundo semestre de 2011 a uma ajuda dada pela família de um amigo. Em dezembro, logo após a última prova na faculdade, em São Miguel Paulista, correu para o aeroporto. A notícia da aprovação chegou no dia 3 de janeiro - além do curso, ele terá a possibilidade de fazer um mestrado na Universidade de Londres. 

Natural de Sorocaba, Toscano chegou a ter uma banda na adolescência, mas conta que o repertório clássico se impôs nas aulas com Pedro Cameron, em Sorocaba, e no Conservatório de Tatuí, com Henrique Pinto.

Mais conteúdo sobre:
música

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.