Violinista do Quarteto Amazônia festeja Grammy

O Quarteto Amazôniaganhou ontem o Grammy Latino de Melhor Álbum de MúsicaLatina, com o CD Adiós Nonino - Quarteto Amazônia TocaPiazzolla. O maestro da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Pretoa 310 quilômetros de São Paulo, Cláudio Cruz, de 35 anos, um dosintegrantes do Quarteto Amazônia, comemorou hoje o prêmio. "Doponto de vista pessoal, estou num momento feliz, curtindo econhecendo Ribeirão Preto, e na plenitude profissional, mesentindo seguro", disse Cruz, durante o intervalo do ensaio daorquestra do interior. "Do ponto de vista do Quarteto, o prêmiocoroa um trabalho que não foi pretensioso, que entrou como umadiversão."O álbum Adiós Nonino - Quarteto Amazônia TocaPiazzolla, com 11 canções, pela gravadora Kuarup Discos, é umtrabalho de 2001, mas o CD foi lançado apenas este ano, no Rio.O Quarteto Amazônia, criado em 1994, é formado por Cláudio Cruz,no primeiro violino; Igor Sarudiansky, o segundo; HorácioShaefer faz a viola e Alceu Reis é o violoncelista. Os arranjosdo CD foram de José Bragato, violoncelista que sempre trabalhoucom Astor Piazzolla.Para Cruz, o Quarteto faz música por puro prazer. Paraele, a premiação ocorrida ontem à noite na Califórnia, nosEstados Unidos, deverá repercutir ainda mais na turnê que oQuarteto fará na Europa no início de 2003.Cruz não quis assistir à premiação do Grammy ontem,evento transmitido pelo SBT. Preferiu passear pela cidade.Indicado para vários prêmios, foi o vencedor de dois pelaAssociação Paulista de Críticos de Arte (APCA), em 1985 e 1997(um como solista e outro pelo Quarteto).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.