Violinista americano Joshua Bell toca em SP

O americano Joshua Bell faz três recitais a partir de hoje, quando vai interpretar uma sonata de Eugène Ysaye. Esta é a sua terceira vez que o violinista se apresenta no Brasil - e não deixa de ser um luxo ter tão freqüentemente em nossas temporadas este músico que já foi daqueles impressionantes prodígios e hoje goza de respeitabilidade em todo o meio musical e suas principais instituições. A propósito, na semana que vem, chega outro prodígio do violino, a japonesa Midori, que toca com a Osesp o Concerto n.º 1, de Prokofiev. Mas esta é outra história. De volta a Bell, ele faz em São Paulo recitais ao lado do pianista americano, filho de chineses, Frederic Chiu. Vai interpretar, além da Sonata n.º 3, de Ysaye, a Sonata n.º 2, de Brahms, a n.º 1, de Saint-Saens, a Meditação, de Tchaikovsky, e a Introdução e Tarantela, de Sarasate. Para Bell, o violinista Ysaye, com quem abre o concerto, foi um dos grandes nomes de seu tempo, a passagem do século 19 para o 20, amigo de músicos como Clara Schumann e de compositores como Cesar Franck, que lhe dedicou sua célebre Sonata para Piano e Violino. "Meu professor foi aluno dele e, portanto, tinha muito a contar sobre ele. De forma que meu violino mantém certa relação com a escola dele." Além dos recitais, Bell vai se encontrar com violinistas brasileiros. A idéia original era, dentro da série Lições de Mestre, do Espaço Cultural BankBoston, promover master classes do violinista. Mas ele não dá aulas e avisa que não pretende fazê-lo tão cedo. Preferiu, então, uma "conversa informal, um bate-papo" com jovens brasileiros, onde pudesse dividir um pouco de sua experiência, de sua trajetória. Aos 35 anos, já conta 30 de carreira. Em outras palavras, desde que se dá por gente, tem um violino ao seu lado e viaja o mundo dando recitais. Qual o significado disso? "Bom, acho que quer dizer que, ao contrário de outros jovens, nunca precisei me preocupar em arranjar um emprego", ele brinca...Joshua Bell. Espaço Cultural Bank Boston. Av. Dr. Chucri Zidan, 246, Brooklin, 3081-1911. Hoje, 2.ª e 3.ª, 21h. R$ 30 (clientes Bank Boston) e R$ 45.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.