Violeta de Outono faz show no Ibirapuera neste domingo

Apresentação será baseada no último CD da banda e conta com participação de Manito e André Peticov

Luís Fernando Bovo, de O Estado de S. Paulo,

28 de março de 2008 | 15h23

Sobrevivente do boom que o rock nacional viveu na década de 80, o Violeta de Outono mostra, neste domingo, 30, que continua firme e forte. Com um show todo baseado no último CD, Volume 7 (2007), eles sobem ao palco do Auditório Ibirapuera, em São Paulo, a partir das 18h, para mostrar seu "rock com um pé no jazz", segundo definição do vocalista e guitarrista Fábio Golfetti.  A banda traz na bagagem influências escancaradas de grupos ingleses dos anos 70, como Camel, Caravan e Soft Machine. Segundo Golfetti, o trabalho da banda, com a entrada do tecladista Fernando Cardoso, explora muito o órgão Hammond, o que dá uma sonoridade psicodélica ao quarteto. Além dos dois, compõem o Violeta de Outono Cláudio Souza, na bateria, e Gabriel Costa, no baixo. Para a apresentação de domingo, o Violeta tem duas novidades para os fãs: as participações especiais Manito e André Peticov. O primeiro integrou o Som Nosso de Cada Dia, banda brasileira dos anos 70 e também criou os Incríveis, ao lado de Netinho, nos anos 60. Já o segundo se tornou conhecido por fazer os cenários e efeitos visuais nos shows psicodélicos do Mutantes ao lado do irmão, o artista plástico Antônio Peticov. "Vai ser um show para celebrar o tesão de tocar", resume Golfetti. Para ele, o fato de a banda existir, desde 84, tem explicação na fidelidade dos fãs. "Muitos acompanham a banda há muito tempo, a gente conhece só de olhar para a platéia", diz.  Violeta de Outono. Auditório Ibirapuera. Domingo, 30, 18h. Duração: 90 minutos (aproximadamente). Ingresso: R$ 30,00 e R$ 15,00 (meia-entrada)

Tudo o que sabemos sobre:
Violeta de OutonoIbirapuera

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.