Lollapalooza Brasil| Divulgação
Lollapalooza Brasil| Divulgação

Vintage Trouble 'nada' sobre a plateia do Lollapalooza 2016

Vocalista Ty Taylor arrebatou o público com seu rock'n'soul e com sua performance incendiária

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2016 | 15h38

O Vintage Trouble virou o jogo a seu favor com dez ou quinze minutos de show. Eles não tinham o público na palma das mãos quando iniciaram,  era visível que a plateia estava mais de passagem por ali, mas nada parecia resistir à força do vocalista Ty Taylor a partir da terceira ou quarta música. 

Em um momento incendiário,  Taylor desceu à plateia,  seguiu pelo corredor do centro,  subiu na grade e, enquanto cantava Run Baby Run, um blues rock avassalador,  se lançou sobre os braços erguidos e 'nadou' sobre eles de volta para o palco. Foi um delírio. 

Os californianos separaram um repertório concentrado com muitos momentos de picos. Seu visual condizente com a proposta nostálgica de uma soul music setentista fazia o trio (baixo, bateria e guitarra) tocarem de terno,  colete e gravata mesmo sob o sol que abatia o palco Axe neste momento. Ty Taylor lembra sim James Brown, mas tenta trazer mais do que os passes de dança e os berros entre as músicas.  Eles fazem rock e blues em altas temperaturas.  Total Strangers, o hit de 2012; Angel City California; e Pelvis Pusher levam a plateia em segundos. A rara balada,  Nobody Told Me,  é um refresco rápido e generoso. 

Uma estratégia se repete em todas as músicas.  Assim que elas terminam, voltam lentamente ganhando a parada pela insistência.  Um grande show, e o Vintage Trouble deixa certamente novos fãs no Brasil.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Lollapalooza

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.