Vídeo com Britney Spears é campeão de cliques na web

O apetite do público pelos deslizes de Britney Spears parece interminável, e a cantora foi escolhida a celebridade campeã de 2006 dos vídeos embaraçosos que se espalham na Internet como vírus.As imagens de Britney Spears arrotando e falando de forma incoerente sobre sua crença nas viagens do tempo foram vistas mais de 3 milhões de vezes, disse na segunda-feira o site ViralVideoChart.com.Em segundo lugar ficaram as imagens do ex-marido de Britney, Kevin Federline, aparentemente recebendo uma mensagem de texto informando-o de que a cantora havia entrado com o pedido de divórcio.Esse tipo de vídeo é chamado de "viral" porque, uma vez divulgado, espalha-se pela rede através de e-mails, blogs e programas de troca de mensagens.O ViralVideoChart.com diz que analisa milhões de blogs por dia para saber que imagens estão sendo mais comentadas, e elabora uma lista diária dos 20 vídeos mais vistos.Em terceiro lugar na lista de 2006 ficou a explosão racista do ator Michael Richards, do seriado Seinfeld, com mais de 1 milhão de visitas em apenas quatro semanas. As declarações racistas foram feitas durante uma apresentação num clube de comediantes, no dia 17 de novembro, em Hollywood.O incidente foi gravado por uma câmera digital e vem circulando amplamente na Internet. Três dias depois de ocorrer, o caso foi transmitido pelos noticiários da TV.Em quarto lugar ficaram as cenas da atriz Lindsay Lohan falando mal da socialite Paris Hilton, e a própria Paris Hilton ocupou o quinto lugar, com as imagens de um acidente de carro.A reprodução da música Raindrops Keep Falling on my Head, "tocada" com os dentes pela atriz Keira Knightly no Ellen DeGeneres Show, ocupou o sexto lugar. Em sétimo ficou o vídeo do single de estréia da modelo Katie Price e do marido, Peter Andre, cantando A Whole New World.Hilton volta a marcar presença no oitavo lugar, cantando Parabéns a Você para o fundador da revista Playboy, Hugh Hefner, que completava 80 anos. Imagens da atriz Pamela Anderson ficaram em nono.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.