Cinema 7 Films
Cinema 7 Films

Vida da cantora Mercedes Sosa será retratada em série de ficção

Conhecida popularmente como La Negra, cantora nasceu na pobreza, sofreu perseguição política e até uma depressão que quase a levou à morte

Lucila Sigal, Reuters

08 de julho de 2020 | 08h23

A vida da cantora argentina Mercedes Sosa, cuja voz potente comoveu gerações de fãs da América Latina, chegará à televisão graças a uma minissérie de ficção de 13 episódios que percorrerá sua história de superação pessoal e de sucesso.

A produtora audiovisual argentina Cinema 7 Films iniciou o desenvolvimento de Mercedes Sosa – A Série, que conta com o apoio da família e da fundação que leva o nome da artista, que morreu em 4 de outubro de 2009.

“Enche-nos de orgulho e alegria poder levar à tela a vida de nossa avó Mercedes, uma mulher que superou todo tipo de dificuldades, convertendo-se em um símbolo de luta e em uma das vozes mais importantes de toda a América Latina”, disseram Araceli e Agustín Matus, netos da cantora, em um comunicado da produtora, cuja série estreará em 2021.

Mercedes Sosa, conhecida popularmente como La Negra, nasceu na pobreza, sofreu perseguição política e até uma depressão que quase a levou à morte. Mas ela conseguiu se transformar em uma das artistas mais reconhecidas do continente, conquistando a admiração de figuras como Pavarotti, Sting e Caetano Veloso.

“Queremos retratá-la tal como era, com suas virtudes e suas tribulações, uma heroína de carne e osso. Não temos dúvidas de que o grande público se surpreenderá com esta série, principalmente o mais jovem”, disse Rodrigo H. Vila, diretor, produtor e sócio fundador da Cinema 7 Films.

A produtora já havia filmado o documentário Mercedes Sosa, la voz de Latinoamérica (2013), que abordava o legado da artista, mas agora se dedicará a uma reconstrução fictícia de sua vida.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Mercedes Sosamúsicasérie e seriado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.