Vida da artista Charlotte Salomon, vítima do Holocausto, estreia como ópera

A artista judia nascida em Berlim Charlotte Salomon deixou para trás um rastro de aquarelas e texto que ela chamou de "Vida? ou Teatro?" antes de ser morta em Auschwitz em 1943, grávida, aos 26 anos.

REUTERS

28 de julho de 2014 | 21h11

A vida de Charlotte, que inspirou filmes, peças de teatro e um musical, foi transformada em uma ópera que mergulhou nas profundezas da emoção humana em sua estreia nesta segunda-feira no Festival de Salzburgo, na Áustria.

Com música do compositor francês Marc-Andre Dalbavie, encenado pelo diretor suíço Luc Bondy e texto da autora alemã Barbara Honigmann, que usou 85 por cento do próprio texto de Charlotte, o trabalho era a ópera mais esperada da temporada no prestigiado festival na cidade de Mozart. E não decepcionou.

Embora um grupo de nazistas uniformizados tenha aparecido em momentos estratégicos, como um lembrete do fim inevitável, a ópera concentrou-se mais nos difíceis problemas emocionais e intelectuais que a artista enfrentou.

Ela só soube tardiamente que sua mãe havia cometido suicídio pulando de uma janela do terceiro andar, e era assombrada por uma história familiar de suicídio.

Seu primeiro amor, que a tratava mal, era um treinador vocal que ela e sua madrasta compartilhavam como parceiro. "Você me joga migalhas... e eu sou sua cachorra", diz Charlotte sobre ele.

Por duas vezes - no início e no final - ela diz que tem pesadelos em microcosmo que, no mundo real, são "jogados fora em macrocosmo".

(Reportagem de Michael Roddy)

Tudo o que sabemos sobre:
MUSICAOPERAAUSTRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.