Verdi abre temporada 2001 da USP Sinfonietta

A USP Sinfonietta, antiga Orquestra Sinfônica da Universidade de São Paulo, abre sábado no Teatro São Pedro sua temporada 2001 com um recital gratuito em homenagem aos 100 anos da morte do compositor italiano Giuseppe Verdi. No programa, trechos de óperas como La Traviata, Rigoletto e Don Carlo, interpretados por quatro importantes expressões do canto lírico brasileiros: Adélia Issa, Celine Imbert, Marcos Thadeu e Paulo Szot. A regência fica a cargo do diretor artístico do grupo, o maestro Ronaldo Bologna.O programa será aberto pelo Prelúdio da ópera La Traviata, da qual Adélia Issa interpreta, também, o Recitativo e Ária de Violetta. Em seguida, aparecem o Prelúdio e a ária de Renato (cantada por Paulo Szot) da ópera Un Ballo In Maschera. Don Carlo vem em seguida, com Celine Imbert no papel de Eboli, interpretando a ária O Don Fatale, com a participação, também de Adélia Issa.Uma versão para orquestra de cordas do terceiro movimento do Quarteto em Mi Menor será executada antes que a ópera volte à cena, com a ária de Manrico, da ópera Il Trovatore, na voz do mineiro Marcos Thadeu. Encerram o programa a Sinfonia de Luisa Miller e o Quarteto do 3.º ato de Rigoletto.Segundo o maestro Ronaldo Bologna, a escolha de repertório pautou-se pela busca de trechos representativos do processo de criação do compositor que, em sua opinião, escreveu obras que são verdadeiros marcos na história da ópera, ainda hoje, cem anos após sua morte. "Mesmo em vida, com exceção de alguns momentos de dificuldade, como o início da carreira, Verdi foi totalmente compreendido e não houve mudança na maneira de encarar seu trabalho durante esses cem anos."Para Celine Imbert, um recital com árias de Verdi, cem anos após sua morte, mostra que o trabalho do compositor de "Aida" é imortal. "Hoje, assim como daqui a cem ou mil anos, o trabalho de Verdi irá emocionar as pessoas e ele continuará sendo reconhecido, uma vez que foi imortalizado por meio de sua música. Sempre haverá artistas dispostos a cantar, expressar aquilo que Verdi colocou em suas belas partituras."Bologna aponta duas principais dificuldades na execução de óperas de Verdi. A primeira diz respeito ao ponto de vista vocal. "Verdi conhecia a voz humana como poucos e escreveu papéis com tessituras bastante complicadas, o que exige bastante dos cantores", afirma. A outra dificuldade está relacionada com o aspecto instrumental. "Algumas óperas suas, em especial as do primeiro período de sua carreira, parecem bastante simples, mas não se pode confundir simplicidade com facilidade", ressalta.Problemas - Ao contrário do que tem acontecido nos últimos anos, a orquestra não abre a sua temporada no Anfiteatro Camargo Guarnieri, sede do grupo, que ficará fechado até o fim de julho para reformas na estrutura do telhado. "Sem nossa sede tivemos que cancelar a programação do primeiro semestre e começar a procurar, até agora sem sucesso, um outro lugar para utilizarmos nesse período", conta Bologna.USP Sinfonietta - Sábado, às 16h. Grátis. Teatro São Pedro. Rua Barra Funda, 171,tel. 3667-0499.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.