Dani Gurgel/Divulgação
Dani Gurgel/Divulgação

Vanessa Moreno e Fi Maróstica fazem duo arrebatador em disco

Em formato voz e contrabaixo, músicos visitam a obra de Gilberto Gil com suingue e virtuosismo no novo álbum 'Cores Vivas'. Veja

Julio Maria, O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2016 | 21h30

Voz e contrabaixo, sem mais. É tudo do que precisavam a cantora Vanessa Moreno e o contrabaixista Fi Maróstica para que sua linguagem viesse à tona. Voz e baixo nunca tiveram lá um matrimônio autossuficiente. Ela sempre preferiu o violão ou o piano por motivos técnicos. Assim como os sopros, o contrabaixo não é considerado na prática um instrumento harmônico (embora seja também). Ou seja, não está ali para acompanhar, para fazer a base tocando três ou quatro notas ao mesmo tempo.

E aí está o pulo do duo, que lança seu segundo disco neste formato: Cores Vivas. O álbum, produzido pelo violonista Swami Jr, repassa a obra de Gilberto Gil em 11 faixas. O show de lançamento será dia 13 de março, no Auditório Ibirapuera.

Fabiana Cozza canta com Vanessa em Lugar Comum e Rosa Passos aparece em Preciso Aprender a Ser Só. Vanessa e Fi chegam à liga depois de vencerem desafios. Vanessa tem uma afinação incomum, uma precisão de segurar a nota certa até que ela termine, sem deixar que morra antes do tempo, que perca a força, sem os ‘migués’ nos quais muitas vozes escondem suas fragilidades.

E Fi faz desenhos alheios ao conceito do “acompanhamento”. É outra história. Seu melhor acompanhamento, muitas vezes, é não acompanhar. Ele toma caminhos colados aos arranjos de Gil ou abre vozes paralelas à voz principal. Seu baixo não tem função rítmica nem harmônica. É uma segunda voz solta mas equilibrada, sem desespero.

O arranjo de Lugar Comum, com Fabiana Cozza dialogando com Vanessa, é dos mais belos. O silêncio ganha força na pausa dos graves de Fi e a música de Gil e João Donato vira oração.

Sitio do Pica Pau Amarelo muda o discurso e traz charme nas escolhas das linhas que vão seguir. Os arpejos na introdução de Estrela, com a voz trazendo a linha mestra, são um outro destaque do disco. Extra vem depois, e segue com Preciso Aprender a Ser Só, Expresso 2222, Toda Menina Baiana, Meio-de-Campo e Palco.

Gil sempre foi generoso aos baixistas. Cria nos graves de seu violão brincadeiras sobre as quais vão sapatear para sempre. Vanessa e Fi souberam dançar este xaxado com um sorriso grande nos lábios.

Tudo o que sabemos sobre:
vanessa moreno

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.