Van Van quer gravar com Caetano, Djavan, Milton e Ivan Lins

A orquestra cubana Van Van quer gravar com os músicos brasileiros Caetano Veloso, Djavan, Milton Nascimento e Ivan Lins em seu aniversário de 37 anos, disse à EFE seu diretor musical, Samuel Formell."A música brasileira e em particular a arte de Caetano, Djavan, Milton e Ivan Lins foram fonte de inspiração para nós", afirmou o herdeiro de Juan Formell, fundador da Van Van.Juan Formell, de 64 anos, passou há quatro a direção do conjunto que mais toca músicas populares e dançantes em palcos que vão da América à Europa e da Ásia à Oceania."A Van Van tem uma história e consideramos importante nos abrir a outros estilos que não são alheios a nós, pois serviram de fonte de inspiração", comentou Samuel Formell, que da bateria dirige o conjunto de 16 músicos que completará 37 anos em 4 de dezembro.Turnê Cerca de 2 mil pessoas assistiram, na noite de sexta-feira, no Rio de Janeiro, a primeira das três apresentações da turnê da Van Van pelo Brasil, que passou no sábado por Brasília e será encerrada na quarta-feira, em São Paulo.A orquestra viajará ao Chile na próxima quinta-feira e talvez Formell aproveite estes dias para oficializar sua proposta aos músicos brasileiros.Formell, que por sua destreza como percussionista é freqüentemente convidado a comandar "oficinas de música" nos Estados Unidos e Europa, lembrou que a Van Van dividiu em várias ocasiões o palco com Milton Nascimento e Gal Costa. "Nos os conhecemos bem e eles nos conhecem. Somos admiradores de nossas produções e estilos. Não acho que seja difícil chegar a um acordo", disse à EFE.O diretor musical da Van Van lembrou que na década passada as insígnias da trova cubana, Pablo Milanés e Silvio Rodríguez, dividiram no Rio de Janeiro o mesmo auditório com Chico Buarque, Caetano Veloso e outros artistas brasileiros de primeira ordem.Os cubanos cantaram sucessos de seus anfitriões em português e os brasileiros retribuíram com clássicos em espanhol.Renovação e tradiçãoEm sua chegada ao Brasil, o contra-baixista Juan Formell afirmou que a constante evolução de seu grupo é ditada, fundamentalmente, pelo público que dança.Apesar das freqüentes mudanças de instrumentistas, cada novo integrante chegou à orquestra com um depurado nível técnico, obtido nas escolas de arte e com uma fidelidade inquebrantável ao estilo, ao timbre e à história escrita pelos fundadores do Van Van.Essa dualidade entre renovação e tradição faz da Van Van o maior símbolo da vanguarda e da história da música cubana, segundo seus conhecedores.O maior reconhecimento ao trabalho da orquestra veio com o Grammy, concedido em 2000 pelo CD ¡Llegó Van Van!.Van Van em São Paulo. Expo Barra Funda. R. Tagipuri, 1000. Quarta-feira, às 22 h, R$ 100. Tel. (11) 3868-5858

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.