Uma sinfônica, uma sanfona e um violino

O jovem violinista Ricardo Herz e oveterano sanfoneiro Dominguinhos se encontraram pela primeiravez no xote "Céu", do álbum de estréia-solo de Herz, "ViolinoPopular". Este foi o mote para o convite feito pelo maestroRoberto Sion para ambos dividirem o palco com a Orquestra TomJobim, regida por ele, em três concertos, desta sexta-feira adomingo, no Auditório Ibirapuera. A orquestra sinfônica, formada por 45 jovens bolsistasdo Centro de Estudos Tom Jobim, dedica-se em grande parte aoestudo e à interpretação do legado do mestre que inspirou suacriação. Mas também está aberta à pesquisa e experimentação denovas linguagens e à obra de outros autores fundamentais."Sempre fundindo o erudito e o popular, que era a grandeinspiração do Tom", lembra Sion. "Na medida do possível, procuroequilibrar o instrumental com a canção, e convidados novatos eveteranos para as apresentações", diz. Desde que foi criada em 2001, durante o Festival deCampos do Jordão, a orquestra já trocou impressões no palco comgente tarimbada de diversos estilos, como André Mehmari, ElzaSoares, Chico Pinheiro, Johnny Alf e Dominguinhos, que retornaagora, entre outros. Nestes três concertos, a orquestra vai abrir o programacom temas de Jobim, Dori Caymmi e uma fantasia orquestral criadapor Luiz Arruda Paes, um dos mais cativantes maestros nos anos60, para a clássica "Asa Branca" (Luiz Gonzaga/HumbertoTeixeira). Segundo Sion, o arranjo passa por um formato deminueto, simula o que faria Beethoven com esse tema, entreoutras sugestões. Na seqüência, entra Herz ("que está fazendo um trabalhopioneiro com o violino", elogia o maestro) com o "Blues daChegada", composto por Sion para ele, e toca outros temas atédialogar em "Céu" com Dominguinhos, que continua com repertóriopróprio. No final todos se juntam no "Lamento Sertanejo"(Dominguinhos/Gilberto Gil) e "Só Xote", de Nelson Ayres. "Vaiser uma brincadeira bacana", diz Sion. Orquestra Tom Jobim, Dominguinhos e Ricardo Herz. AuditórioIbirapuera. Av. Pedro Álvares Cabral, s/n.º, portão 2 do Parquedo Ibirapuera, (11) 5908-4299. De sexta a dom., 20h30. R$ 30

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.