Uma celebração para fãs

Baixos de Paul McCartney e Gene Simmons, além de baterias de Igor Cavalera e baquetas de Charlie Watts estarão na mostra 'Let's Rock'

Roberto Nascimento, O Estado de S.Paulo

23 de março de 2012 | 23h30

A primeira pergunta a vir à mente quando se pensa em uma exposição que cobre seis décadas de um gênero que tem as próprias enciclopédias é quão a fundo esta mostra conseguirá ir no assunto. A resposta, de José Antonio Algodoal, curador da Let’s Rock, é que o objetivo não é tanto contar a história do rock quanto possibilitar uma interessante experiência audiovisual pelas diferentes partes deste universo. "Acho que qualquer coisa relacionada à música sempre será alvo de crítica. Seis décadas de uma coisa tão rica como o rock são impossíveis de serem cobertas. Portanto, evitamos dizer que é uma exposição sobre a história do rock. É apenas uma mostra. Sempre haverá o cara que perguntará sobre as bandas obscuras, e é óbvio que não dá para cobrir tudo", explica.

Exposição histórica, a Let’s Rock deve atrair o grosso do público de rock, ou seja, os saudosos pela época áurea do gênero, quando Led Zeppelin, Pink Floyd e Stones reinavam no mundo. Pelo menos é o que aparentam almejar os destaques do evento. Na entrada, o visitante encontra uma linha do tempo, com fotos e textos sobre cada período do rock, de Elvis aos dias de hoje.

A exposição tem quatro níveis. Logo no primeiro andar, encontra-se uma série de objetos de grandes bandas. Há figurinos usados por músicos em shows, cartazes, o baixo Hofner em formato de violino usado por Paul McCartney, o baixo de Gene Simmons, baterias de Igor Cavalera e baquetas de Charlie Watts, além de um pinball do The Who, como o de Pinball Wizard. Há uma cabine com uma foto em 360 graus do show dos Rolling Stones em Copacabana, em 2006, com áudio e também uma réplica do porco usado pelo Pink Floyd, quando a banda toca Pigs on the Wings, e outras cabines com discos e áudio de diferentes fases do rock.

O destaque da mostra deve ser as fotos de Bob Gruen, que registrou todo mundo, de Hendrix, Lennon aos Stones, e participa de uma palestra no dia de abertura. Em suma, será mais uma das grandes exposições da Oca, que já teve exibições sobre Roberto Carlos e a bossa nova. Mas desta vez o assunto é mais extenso.

Solos e subsolos

O subsolo deve conter o filé da mostra, com mais de 200 fotos de Bob Gruen, um dos ícones da câmera rock and roll. Bob fala na abertura.

No térreo, há uma linha do tempo com textos e fotos documentando as fases do rock, de Elvis e Beatles aos Arctic Monkeys e os dias de hoje.

Aqui há uma grande coleção com memorabilia do rock. Baixo de Paul McCartney e artigos curiosos de Kiss e Who são destaques.

O segundo e último andar deve abrigar a experiência mais psicodélica da Let’s Rock, com pufes, headphones e uma projeção no teto.

Tudo o que sabemos sobre:
Let's Rockmúsicaexposições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.