"Um Pouco de Mim" inaugura série Poetas da Canção

O letrista Sérgio Natureza lança hoje à noite o CD Um Pouco de Mim, que inaugura a coleção Poetas da Canção do selo Sesc Rio-Som. O disco reúne 16 canções no consagrado formato de songbook, cada uma reinventada por um intérprete diferente do original, todas com arranjos primorosos. O lançamento será hoje à noite no Arte Sesc, no Flamengo, com direito a canja dos músicos que participaram do trabalho. Em São Paulo, está marcado para o dia 14 de setembro, na Livraria da Vila. "Comecei a gravar há mais de dez anos, influenciado pelos discos de letristas como Aldir Blanc, Fernando Brant e Ronaldo Bastos. É também um reencontro com esses amigos que me acompanham desde sempre, embora nem todo mundo importante esteja nesse CD", conta Natureza. "No início, como não tinha um patrocínio, tive de economizar nos arranjos, mas depois virou opção para valorizar as melodias e as interpretações. Como demorou muito tempo entre o início das gravações e o lançamento, algumas faixas se perderam, infelizmente." O que ficou é de primeira. Zeca Baleiro abre com a semi-inédita Roda Morta, de Sérgio Sampaio. Segundo Sérgio Natureza, descreve as mazelas atuais do País, embora tenha mais de 20 anos. Pelos 20, samba em parceria com Paulinho da Viola, ganhou versão blues com a voz de Marcos Sacramento, o piano de Paulo Baiano e o violino francês de Nicola Krassic. Outro clássico da dupla, Vela no Breu, cresceu em vigor com Luiz Melodia, o violão de Swami Jr. e os sons de Marcos Sacramento. "Nesse disco, reuni músicos do Rio e de São Paulo, todos empenhados em versões muito pessoais", conta Natureza. "A demora em gravar juntou pares impossíveis, como o violão de Rafael Rabello (que morreu há mais de dez anos) e o violão de Krassic (que chegou ao Brasil há três) para Brancas e Pretas, cantada por Amélia Rabello. Esta é uma das inéditas assim como o quase rap Maná, em parceria com Lenine, que interpreta Bela, feita com o maestro Marcos Leite para homenagear o Rio, e Interiores, com Cristóvão Bastos, cantado por Ná Ozetti. Tunai, parceiro mais constante de Sérgio Natureza, entra com cinco faixas, mas não canta no disco, já que lançou a maioria das músicas da dupla. Mas há também outras parcerias como Guinga (Nem mais um Pio, que Mônica Salmaso canta) e Paulo Baiano, compositor carioca que entrou com Margem, também cantada por Lenine. Até o fim do ano, a coleção terá discos lançados de Geraldo Carneiro (parceiro de Egberto Gismonti, Wagner Tiso, entre outros), Antônio Cícero (inicialmente letrista da irmã, Marina Lima) e Murilo Antunes (mineiro do Clube da Esquina). Além do disco, o primeiro volume traz ainda o livreto Minimal Necessário, com micropoemas de Sérgio Natureza, ilustrados por Chico Caruso. "Fica entre a poesia concreta e o hai-kai e é mais uma contribuição de amigo", avisa Natureza. "Todo meu trabalho é assim. Há identificação estética, mas me ligo aos parceiros pelo afeto. Como tenho muitos amigos, estou sempre produzindo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.