Flavio Colker/Divulgação
Flavio Colker/Divulgação

Um Cazuza de grandes novidades

Família do artista libera pela primeira vez uma de suas letras inéditas para ser musicada pelos leitores do 'Estado'

Julio Maria - O Estado de S. Paulo,

14 de maio de 2011 | 06h00

Estava tudo na pasta verde, no quarto, sobre o armário. Assim que o filho Cazuza morreu, a mãe Lucinha assumiu a tarefa das mães: respirou fundo, entrou no quarto do filho para arrumá-lo e viu a pasta.  

 

Veja também:

especial Participe do Prêmio no site

 

Dentro, quase 60 letras inéditas que Cazuza escreveu muitas delas em 1989, seu último ano de vida antes de partir pela aids, em 7 de julho de 1990. Um ano de mergulhos intensos na alma. De poesias que debulhavam o amor naquelas expressões que os amantes nunca esperavam a súplicas por uma ajuda divina. Cazuza não queria morrer.

 

A família do artista guardou tudo por anos, como um legado inacabado. "Sempre tive muito receio em liberar essas letras a pessoas que Cazuza não conhecia. Nunca soube se ele iria gostar do resultado", diz Lucinha Araújo. Há oito meses, o C2+Música entrevistou o pai de Cazuza, João Araújo. Na conversa, João disse que não sabia que destino dar às letras. O Estado solicitou a ele uma delas para que os leitores do jornal pudessem musicar os versos de Cazuza. João coçou o queixo, pegou o telefone e ligou para a mulher. "Em quanto tempo você consegue aquelas letras inéditas do Cazuza?" Enviou as 60 à redação por e-mail e pediu que o jornal escolhesse. E a escolhida foi Qual É a Cor do Amor?

 

 

A partir de hoje, a quinta edição do Musique, agora com patrocínio do Bradesco, busca um parceiro para Cazuza. Os interessados devem compor uma canção para os versos publicados abaixo (que também estão no site www.estadao.com.br/musique) e enviar suas gravações até o dia 22 de junho - as regras estão no site.

 

 

 

O jurado convidado, Nilo Romero, produtor de vários álbuns de Cazuza, ajudará um grupo de jornalistas do Estado a escolher quatro finalistas. O quinto virá de uma votação pela internet. Esses cinco finalistas serão entregues a um colegiado de pessoas que melhor conheceram Cazuza para darem o veredicto: Nelson Motta, Frejat, Nilo Romero e Zuza Homem de Mello, além dos pais João e Lucinha Araújo. Um show de Frejat em homenagem a Cazuza será feito em São Paulo. Na ocasião, o vencedor vai mostrar a canção pela primeira vez.

 

 

Vencedores podem tocar no Rock in Rio

 

Assim que terminar o Musique Cazuza, uma votação on-line vai decidir qual dos vencedores fará uma apresentação do palco Sunset do Rock in Rio, em setembro. Os concorrentes até agora são Oleives (edição Arnaldo Antunes), André Lima e Dandara (edição Tom Zé), banda F292 (edição Capital Inicial) e Nino Antunes (edição Sergio Dias, dos Mutantes). O artista que cedeu a letra vencedora também será convidado a estar no palco.

 

 

Qual é a cor do amor? (Cazuza - 1989) 

Primeiro é o beijo

Quente, procurado

A língua procurando a outra

E vendo se a boca combina

Se combina o beijo

Meio caminho andado

Depois é a pele

Se a textura vale

O pelo com pelo

Ou o pelo com o seu pelo

Ou os pelos com meu pelo

Ou o medo

Depois o cheiro

Um procura no outro

O cheiro de colônia ou

O cheiro de prazer

E os dois se embriagam

Ou vão até o banheiro

Depois a cor

O amor tem cor?

Cada amor tem uma cor

Cada beijo tem uma cor

Cor de caramelo doce

Cor de madrugada fria

Mais conteúdo sobre:
CazuzaPrêmio Musique

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.