Flavio Colker/Divulgação
Flavio Colker/Divulgação

Um Cazuza de grandes novidades

Família do artista libera pela primeira vez uma de suas letras inéditas para ser musicada pelos leitores do 'Estado'

Julio Maria - O Estado de S. Paulo,

14 de maio de 2011 | 06h00

Estava tudo na pasta verde, no quarto, sobre o armário. Assim que o filho Cazuza morreu, a mãe Lucinha assumiu a tarefa das mães: respirou fundo, entrou no quarto do filho para arrumá-lo e viu a pasta.  

 

Veja também:

especial

 

Qual é a cor do amor? (Cazuza - 1989) 

Primeiro é o beijo

Quente, procurado

A língua procurando a outra

E vendo se a boca combina

Se combina o beijo

Meio caminho andado

Depois é a pele

Se a textura vale

O pelo com pelo

Ou o pelo com o seu pelo

Ou os pelos com meu pelo

Ou o medo

Depois o cheiro

Um procura no outro

O cheiro de colônia ou

O cheiro de prazer

E os dois se embriagam

Ou vão até o banheiro

Depois a cor

O amor tem cor?

Cada amor tem uma cor

Cada beijo tem uma cor

Cor de caramelo doce

Cor de madrugada fria

Tudo o que sabemos sobre:
CazuzaPrêmio Musique

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.