U2 volta convencional, só para garantir

Faltam poucos dias para a chegada do novo disco do U2 ao mercado. O grupo irlandês lança All That You Can´t Leave Behind na terça-feira, com o objetivo de mostrar que a banda pode fazer músicas interessantes sem se esconder atrás da eletrônica e - missão ainda mais dura - sobreviver no "pop cabeça" depois de Kid A, o aclamado disco do Radiohead.Desde que Pop foi considerado um dos mais fracos trabalhos do U2, a banda veio reconsiderando sua vontade de ser moderna (que começou em Achtung Baby, em 1991). Convocando Brian Eno e Daniel Lanois, com quem trabalharam diversas vezes nos anos 80, Bono e sua turma resolveram resgatar a sonoridade do início do grupo. Elementos eletrônicos poderiam ser usados, desde que não roubassem a atenção dos instrumentos tocados ao vivo.A "atitude nobre" não parou aí. Aconselhado por Björk e P.J. Harvey, Bono resolveu que este seria um disco "de cantor" e que sua voz seria mixada mais alto do que nos álbuns anteriores, sem efeitos esquisitos. Sinal da idade dos integrantes do U2? Com o trabalho pronto, o discurso mudou um pouco. De acordo com eles, All That You Can´t Leave Behind é mais um disco "soul" do que "rock". "Nossa idéia era ver o que uma banda de rock poderia fazer na virada do século 21 e descobrir se poderíamos criar uma sonoridade válida", disse Bono em uma entrevista esta semana. "Chegamos à conclusão de que a resposta é não. A única coisa que poderíamos fazer era escrever músicas que transcendem a época em que são feitas."Pode ser. Mas esta foi exatamente a tarefa completada com êxito pelo Radiohead (que volta e meia ganha comparações com o U2 por conta da similaridade dos vocais torturados de Thom Yorke com os de Bono) ao adotar uma postura radicalmente contrária, a de arriscar em diversos campos musicais e explorar a sobreposição de camadas sonoras - mesmo longe do que ficou rotulado como "eletrônica".O U2 parece realmente continuar motivado pela vontade de estar no top das paradas de sucesso acima de tudo. Bono não conseguiria agüentar novas críticas para um disco eletrônico ou um pouco mais ousado: sua personalidade messiânica não combina com riscos e obscuridade.Como músicos convencionais, os integrantes do grupo nunca se sentiram confortáveis em explorar a eletrônica - e ter de confiar tanto na capacidade de produção alheia. "Ficamos muito excitados de redescobrir o entusiasmo de tocar juntos", disse The Edge em um chat recente. "Foi a melhor coisa que fizemos em muitos anos." O guitarrista dá a impressão de que a banda só flertou com a modernidade por obrigação de parecer renovada na segunda metade dos anos 90.Resta saber se o momento do pop atual está para canções "de inspiração", como o single Beautiful Day (que chegou ao primeiro lugar da parada da Billboard). É bem provável que a onda de nostalgia pelos anos 80 e a mesmice das bandas adolescentes acabem fazendo de All That You Can´t Leave Behind um dos discos mais vendidos do U2, graças aos fãs do "classic rock" da banda. Enquanto isso, os jovens inteligentes ravers e o público mais exigente disputa ingressos para o show do Radiohead em todo o mundo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.