Scanpix Denmark/Mads Joakim Rimer Rasmussen via REUTERS
Scanpix Denmark/Mads Joakim Rimer Rasmussen via REUTERS

U2 e Guns N'Roses lideram ranking de turnês mais rentáveis de 2017

Números se contrastam com as vendas de discos e preferências de streaming nos Estados Unidos, onde o hip hop e o R&B foram os gêneros musicais mais consumidos neste ano

Reuters

29 Dezembro 2017 | 12h39

LOS ANGELES - Homens brancos e veteranos do rock foram os que mais lucraram com turnês em 2017, de acordo com uma lista anual divulgada na quinta-feira, 28, e as mulheres mais bem colocadas, Céline Dion e Lady Gaga, não ficaram nem entre o top 10 do ranking.

A banda irlandesa U2 acumulou US$ 316 milhões com os 50 shows da turnê de comemoração do 30º aniversário de Joshua Tree, sendo seguida pela banda de hard rock Guns N‘Roses, que arrecadou US$ 292,5 milhões, de acordo com o ranking das 20 maiores turnês de 2017 da publicação especializada Pollstar.

O grupo britânico Coldplay ficou em terceiro lugar, com US$ 238 milhões, na lista na qual Bruno Mars, de ascendência porto-riquenha e filipina, foi o único cantor não branco entre os 10 mais bem colocados, com lucro de US$ 200 milhões. Ed Sheeran, de 26 anos, foi o cantor mais jovem do top 10, lucrando US$ 124,1 milhões.

Com uma média de US$ 1,5 mil por ingresso, a curta temporada de Bruce Springsteen na Broadway foi a que teve os preços mais caros, e os US$ 87,8 milhões que rendeu colocaram o autor de Born to Run na 14ª posição.

No 11º lugar, com lucro de US$ 101,2 milhões, Céline Dion foi a mulher mais bem colocada da lista, enquanto a turnê Joanne de Lady Gaga rendeu US$ 85,7 milhões e deixou a cantora na 15ª posição.

Os números das turnês se contrastam com as vendas de discos e preferências de streaming nos Estados Unidos, onde o hip hop e o R&B foram os gêneros musicais mais consumidos neste ano, de acordo com um relatório de julho da consultoria Nielsen Music.

As 20 turnês mais rentáveis arrecadaram US$ 2,66 bilhões neste ano, um recorde e aumento de mais de 264 milhões em relação a 2016, segundo a Pollstar.

O ranking da Pollstar é baseado na venda de ingressos e não inclui a renda de produtos licenciados, que podem acrescentar um lucro considerável às turnês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.