Turnê dos Rolling Stones é a mais lucrativa da história

A turnê A Bigger Bang dos Rolling Stones, que começou no ano passado e será encerrada nos próximos dias, foi a que mais arrecadou na história, segundo a revista especializada em música Billboard. Foram 113 shows, US$ 437 milhões em ingressos e 3,5 milhões de espectadores em todo o mundo, "sem contar o mega show realizado em fevereiro na praia de Copacabana, no Rio de Janeiro, para 2 milhões de pessoas", diz o site da revista. A banda formada por Mick Jagger, Keith Richards, Ron Wood e Charlie Watts superou a irlandesa U2, que conseguiu US$ 377 milhões com a turnê Vertigo, iniciada em março de 2005 e finalizada em março deste ano. O grupo liderado por Bono Vox apresentou shows em São Paulo, no estádio do Morumbi, em fevereiro. Ainda que não seja oficial, diz a Billboard, os Stones devem esticar a turnê A Bigger Bang até o início do ano que vem, conquistando facilmente a marca de US$ 500 milhões em ingressos vendidos. "Shows foram cancelados na Europa e a banda se sente obrigada a realizá-los", declarou o produtor da turnê, Michael Cohl. Apesar do ótimo resultado, muitos shows da turnê tiveram de ser postergados ou cancelados por conta de incidentes com membros do grupo. O primeiro foi o acidente do guitarrista Keith Richards nas ilhas Fiji, em abril. Richards, de 62 anos, caiu de um coqueiro onde passava férias com o também guitarrista da banda Ron Wood e suas respectivas famílias. O músico teve de retirar um coágulo do cérebro em maio e ficou mais de um mês se recuperando. Em junho, Ron Wood foi internado em uma clínica de reabilitação de Londres por causa de sua dependência alcoólica. O músico, de 59 anos, teve de ser internado na clínica The Priory da capital britânica após voltar a consumir álcool pela segunda vez em um ano. Em outubro, o vocalista Mick Jagger teve laringite e precisou de alguns dias para descansar a voz. Os Stones concluíram no último dia 22 a turnê A Bigger Bang pelos Estados Unidos, e se apresentaram, domingo, em Vancouver, no Canadá.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.